EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Ministro espanhol dos Negócios Estrangeiros foi à Ucrânia manifestar solidariedade

Ministro espanhol dos Negócios Estrangeiros foi à Ucrânia manifestar solidariedade
Direitos de autor Efrem Lukatsky/Copyright 2022 The Associated Press. All rights reserved.
Direitos de autor Efrem Lukatsky/Copyright 2022 The Associated Press. All rights reserved.
De  Fátima ValenteAFP, Reuters
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

O ministro dos Negócios Estrangeiros de Espanha, José Manuel Albares, destacou aos jornalistas a importância do diálogo para a resolução da crise na Ucrânia

PUBLICIDADE

O ministro dos Negócios Estrangeiros de Espanha foi o mais recente diplomata europeu a visitar Kiev para manifestar solidariedade ao Governo ucraniano face às ameaças de invasão das tropas russas. Na conferência de imprensa, perante o homólogo ucraniano, Dmytro Kuleba, José Manuel Albares, revelou esta terça-feira a fórmula espanhola para atenuar a crise:

Diálogo, desagravamento, distensão, e se necessário dissuasão
José Manuel Albares
Ministro dos Negócios Estrangeiros de Espanha

Questionado pelos jornalistas se Espanha vai fornecer armas à Ucrânia, o diplomata espanhol evitou responder diretamente: "Trabalhamos para um cenário em que quaisquer diferenças que possam existir sejam resolvidas através do diálogo. Um diálogo que leve à distensão e para isso é necessário um desagravamento. Essa é a via pela qual nós optamos".

José Manuel Albares lembrou que a Espanha, no quadro da União Europeia, preparou um grande pacote de sanções económicas. Já o ministro ucraniano acrescentou que estas sanções fazem parte da via diplomática e foram concebidas para serem adotadas gradualmente em caso de agressão das tropas russas.

Depois desta visita, o ministro espanhol viajou para Lyon para discutir a crise na Ucrânia com o homólog francês.

A Rússia nega estar a planear qualquer ataque contra a Ucrânia, mas exige que o país vizinho não entre para a NATO.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Quem está a dar apoio militar à Ucrânia em plena crise com a Rússia?

Corrida diplomática pela Ucrânia

Rússia captura aldeia na região de Donetsk