This content is not available in your region

Homenagem a Boris Nemtsov em Moscovo

Access to the comments Comentários
De  Euronews
euronews_icons_loading
Homenagem a Boris Nemtsov em Moscovo
Direitos de autor  Thibault Camus/AP Photo

Centenas de cidadãos russos prestaram este domingo homenagem ao político russo da oposição, Boris Nemtsov, no sétimo aniversário do seu assassinato.

Centenas de coroas de flores, velas e fotografias foram depositadas no sítio onde Nemtsov foi morto, a 27 de fevereiro de 2015, a dois passos do Kremlin.

O embaixador norte-americano na Rússia, também marcou presença nesta homenagem.

Vladimir Kara-Murza, jornalista e ativista russo afirma: "Ninguém pode proibir-me de vir aqui neste dia e honrar a queda do meu camarada. É por isso que estou aqui e há muitas outras pessoas aqui. Conseguiram matar um homem, mas não conseguem matar a memória.

E vemos que a solidariedade internacional está a crescer, vemos que já em 4 capitais mundiais - isto é Washington, isto é Praga, isto é Vilnius e isto é Kiev - que está hoje a ser bombardeada pelas tropas russas -, as embaixadas da Federação Russa estão em praças e praças que levam o nome de Boris Nemtsov".

A homenagem ganha ainda mais simbolismo com a invasão da Ucrânia pela Rússia.

Ilya Yashin, político russo da oposição, diz: "Nemtsov era um pacifista e sempre se opôs consistentemente ao derramamento de sangue. Quando o derramamento de sangue começou em Donbass, Nemtsov sentiu-o muito pessoalmente e foi um dos organizadores, iniciador da Marcha pela Paz no centro de Moscovo. O assassinato de Nemtsov foi, em geral, um acontecimento que prefigurou globalmente os dramáticos acontecimentos históricos que estamos a viver atualmente.

Em julho de 2017, cinco pessoas foram condenadas pelo assassinato de Nemtsov, como elementos de um grupo organizado. O cérebro do grupo nunca foi encontrado.

Um pouco por todo o mundo, foram publicadas palavras em memória de Boris Nemtsov. O Departamento de Estado norte-americano publicou uma nota de homenagem. O chefe da diplomacia europeia, Josep Borrell escreveu no Twitter