This content is not available in your region

Líder da oposição da bielorrussa lança manifesto antiguerra

Access to the comments Comentários
De  euronews
euronews_icons_loading
Líder da oposição da bielorrussa lança manifesto antiguerra
Direitos de autor  PETRAS MALUKAS/AFP

A líder da oposição bielorrussa, Sviatlana Tsikhanouskaya, lançou uma "mobilização antiguerra" na Bielorrússia.

Tsikhanouskaya sublinhou a ilegitimidade do Governo do ditador Alexander Lukashenko, acusando-o de estar a praticar um "crime internacional" em conjunto com a Rússia e de violar a legislação do país, em particular o Tratado de Amizade assinado entre a Bielorrússia e a Ucrânia, em 1995.

O manifesto para esta "mobilização antiguerra" foi publicado nas redes sociais.

"É dos nossos aeródromos que os aviões descolam e lançam bombas sobre Zhytomyr, são lançados rockets dos nossos campos em Chernigov. Centenas de tanques entram todos os dias na Ucrânia através dos nossos postos fronteiriços. Estou a declarar uma mobilização antiguerra. Na próxima semana, todas as nossas ações deverão conduzir a dois resultados: os bielorrussos já não são vistos como agressores, os militares bielorrussos recusam-se a participar na guerra ou passam imediatamente para o lado dos ucranianos", referiu a líder da oposição bielorrussa.

Embora Alexander Lukashenko negue qualquer intervenção militar direta, o Kremlin anunciou que na terça-feira, as tropas da Bielorrússia foram mobilizadas, pela primeira vez, para a Ucrânia onde se vão juntar à guerra ao lado dos russos.

No início da semana, o Governo de Minsk aprovou uma revisão constitucional que termina com a neutralidade nuclear do país.