This content is not available in your region

Pequenos hotéis polacos abrem portas a refugiados ucranianos

Access to the comments Comentários
De  euronews
euronews_icons_loading
Pequenos hotéis polacos abrem portas a refugiados ucranianos
Direitos de autor  Czarek Sokolowski/Copyright 2022 The Associated Press. All rights reserved.

Pequenos hotéis na Polónia rural abrem portas aos refugiados. Muitas pessoas precisam de refúgio, longe dos principais centros de acolhimento - este hotel histórico até colocou berços nos corredores. Foi aqui que Natasha encontrou abrigo para uma noite. Veio de Kiev com o filho. O marido ficou para trás, na Ucrânia, pronto para combater.

Vim de comboio durante um dia e depois mais s ete horas e estávamos na fronteira.
NATASHA
refugiada de Kiev

Natasha embala os poucos pertences que conseguiu trazer. O apoio dos cidadãos privados está a fazer a diferença de várias formas.

Os moradores chegam com todo tipo de bens essenciais, produtos de higiene pessoal, produtos de limpeza e fraldas. Já estivemos em vários hotéis e acontece o mesmo em todos os locais.
Monica Pinna
Euronews

Uma onda de solidariedade tomou conta das redes sociais em toda a Europa. Johann atendeu ao chamado e partiu de Berlim, pronto para ajudar.

Não podemos ficar em casa sem fazer nada. Recolhemos donativos durante dois dias e conseguimos 15 mil euros de muitas pessoas que conhecemos. Viemos para a fronteira com uma carrinha e temos que voltar com pessoas que precisam de ajuda.
JOHANN VOLL
Voluntária

Natasha está de partida rumo a um novo futuro longe da guerra, com ela leva a esperança de poder voltar em breve ao seu país.

É horrível o que está acontecer lá. Estão a matar mulheres e crianças. O que os canais russos dizem não é verdade. Não há fascistas ou nazis na Ucrânia. Amamos a nossa Ucrânia e vamos defendê-la. Os nossos maridos estão lá para defender a Ucrânia.
NATASHA
Refugiada de Kiev

A população da Polónia e de outros países europeus está a erguer uma frente solidariedade. Numa altura em que as instituições enfrentam dificuldades para lidar com a crise dos refugiados são as pessoas, em nome individual, que estão a fazer a diferença.