Mulheres ucranianas vítimas de tráfico humano

Mulheres refugiadas
Mulheres refugiadas Direitos de autor Markus Scholz/DPA
De  Ricardo Figueira
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Com a nova onda de refugiados, voluntários alertam para os "falsos amigos" nas fronteiras à procura de mulheres e crianças para traficar para redes de prostituição e pedofilia.

PUBLICIDADE

Com cada vez mais refugiados a deixar a Ucrânia, cresce a preocupação com aqueles, sobretudo mulheres, que podem ser vítimas de pessoas menos escrupulosas que não hesitam em aproveitar-se dos mais vulneráveis para o tráfico de seres humanos.

Para evitar situações como esta, Joanna Marking abriu um abrigo para mães refugiadas, na Polónia: "Nesta situação, há uma pequena percentagem de traficantes de seres humanos, pedófilos e outros criminosos. Aqueles que estão sem apoio e cansados estão muitas vezes em situação de exaustão e tornam-se mais vulneráveis", diz.

Hanna Kovalova é uma jovem mãe de Odessa que vive no refúgio criado por Joanna: "Nós tivemos sorte. Tenho uma amiga a quem tentaram roubar todo o dinheiro na estação. Pareciam pessoas que precisavam de ajuda, mas não eram", conta.

Mais de dois milhões e meio de pessoas deixaram a Ucrânia desde que a guerra começou. São, sobretudo, mulheres e crianças, expostas a propostas nem sempre seguras e nem sempre honestas. A barreira linguística piora as coisas: "Há muitas propostas perigosas, vindas de diferentes pessoas. Podem oferecer ajuda gratuita para nos levar para outro país, dar casa, comida e cuidados de saúde, mas não é verdade", diz** Iryna Pypyrenko**, refugiada na Roménia.

Podem oferecer ajuda gratuita para nos levar para outro país, dar casa, comida e cuidados de saúde, mas não é verdade.
Iryna Pypyrenko
Refugiada ucraniana

Em muitos postos fronteiriços, há homens a oferecer ajuda às mulheres recém-chegadas. Alguns, como Stefan Krebs, voluntário alemão, atuam de boa-fé. Outros, nem por isso: "Fiquei surpreendido que não haja mais informação. Nós somos os bons, mas também há os maus, que estão aqui para fazer cosias más", diz.

E assim muitas mulheres incautas acabam nas redes de prostituição um pouco por toda a Europa. Algo que era já uma realidade e ameaça tomar novas proporções com esta crise de refugiados.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Bebés de barrigas de aluguer ucranianas esperam em abrigos

Hospitais de Kiev são exemplo de resistência

Estação de Berlim reforça vigilância no acolhimento de refugiados