This content is not available in your region

Coreia do Sul regista mais de 620 mil infeções diárias por Sars-Cov2

Access to the comments Comentários
De  Euronews
euronews_icons_loading
Sul-coreanos são testados quando se batem recordes de casos de Covid-19
Sul-coreanos são testados quando se batem recordes de casos de Covid-19   -   Direitos de autor  Ahn Young-joon/Copyright 2022 The Associated Press. All rights reserved.

A Coreia do Sul registou um número recorde diário de mais de 620 mil infeções por Sars-Cov 2, o valor mais elevado desde o início da pandemia, há dois anos.

A variante Omicron intensifica os contágios, numa altura em que o governo alivia as restrições, deixando os sul coreanos divididos sobre a forma de lidar com esta fase da pandemia.

Chun Young-ho, um funcionário da embaixada de França em Seul afirma: "Penso que o governo não deve estabelecer qualquer restrição por causa do coronavírus. Devem levantar todas as restrições e deixar as pessoas fazerem o que querem fazer. Creio que as pessoas já aprenderam, nos últimos anos, a gerir-se a si próprias".

Já a jovem Moon Chae-rim diz: "Sinceramente, sinto que o governo deveria reforçar as restrições porque os números estão a aumentar exponencialmente. Penso que é porque o governo aliviou as restrições, mesmo sabendo que a resposta inicial foi fundamental para conter a pandemia".

Segundo Organização Mundial da Saúde (OMS), a Coreia do Sul é o país com mais casos registados nos últimos sete dias, com mais de 2 milhões e 300 mil infeções, seguida pelo Vietname com quase um milhão e oitocentas mil.

Seul abandonou o seu programa "rastrear, testar e tratar" no mês passado, uma vez que um surto dramático nos casos Omicron ameaçava sobrecarregar o seu sistema de saúde.

A maioria da população tem a vacinação completa e o reforço e a taxa de mortalidade continua muito baixa.

Ainda assim, esta quinta-feira foram registadas 429 mortes, mais 140 do que no dia anterior.

O governo decidiu que a partir de 21 de março deixa de ser obrigatória a quarentena para viajantes, mas mantém-se o recolher obrigatório e a limitação de reuniões de grupo a seis pessoas.