Bolsa de Moscovo reabriu a meio gás

Bolsa de Moscovo reabriu a meio gás
Direitos de autor Pavel Golovkin/Copyright 2022 The Associated Press. All rights reserved
Direitos de autor Pavel Golovkin/Copyright 2022 The Associated Press. All rights reserved
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Um mês após o encerramento, na sequência da invasão da Ucrânia, a Bolsa de Moscovo reabriu a meio gás. Só cerca de 15% dos títulos são negociáveis

PUBLICIDADE

Reduzida a uma segunda divisão do mercado, a Bolsa de Valores de Moscovo retomou as negociações esta quinta-feira, um mês após a Rússia ter invadido a Ucrânia.

Não há investidores estrangeiros e apenas um punhado de ações, incluindo as gigantes da energia, pode ser negociado.

Nos primeiros minutos de abertura, o índice MOEX subiu 8%. Da última vez que o mercado funcionou, um dia após a eclosão da guerra, perdeu 33%.

A fuga maciça de investidores estrangeiros, o encerramento de empresas e fábricas enfraqueceram grandemente a economia russa, mas os esforços ocidentais para acabar com a guerra com sanções podem ser em vão sem a cooperação da China, diz o antigo conselheiro económico do governo russo, e professor na Universidade de Science-Po, em Paris, Sergei Guriev.

"Penso que a China deveria pensar quais são os seus interesses, e penso que é do interesse da China convencer o Senhor Putin a parar esta guerra. E se a China aderir a este embargo petrolífero - se houver um embargo petrolífero na Europa e se a China aderir a este embargo petrolífero - penso que a guerra terminará razoavelmente em pouco tempo".

Os analistas concordam que a economia mundial não pode passar sem o petróleo e o gás russos da noite para o dia, mas, a médio prazo, essa dependência pode ser reduzida substancialmente.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Ucrânia lança ataque com drones contra infraestruturas energéticas da Rússia

Ataques russos na Ucrânia fazem pelo menos oito mortos

Detidos na Polónia dois suspeitos de ataque a aliado de Navalny na Lituânia