EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Ucrânia: um mês depois, mísseis continuam a arrasar zonas habitadas

Ucrânia: um mês depois, mísseis continuam a arrasar zonas habitadas
Direitos de autor Rodrigo Abd/Copyright 2022 The Associated Press. All rights reserved.
Direitos de autor Rodrigo Abd/Copyright 2022 The Associated Press. All rights reserved.
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

À medida que a ofensiva russa avança, prosseguem os ataques a alvos civis, o que para muitos é um sinal de que esta está longe de ser uma guerra com alvos militares cirúrgicos

PUBLICIDADE

Um mês depois do início da guerra na Ucrânia, os mísseis continuam a cair em zonas habitadas. Em Kharkiv, pelo menos quatro civis morreram, na sequência de um ataque a um centro médico com rockets russos.

Também caem bombas nos arredores de Kiev, onde as tropas ucranianas dizem ter expulso soldados russos e ganho terreno. Os habitantes locais falam num rasto de destruição.

Em Chernihiv, as autoridades apressaram-se a retirar mísseis que caíram mas não explodiram.

Neste momento, a Rússia fala em mais de 1300 soldados mortos na Ucrânia, mas analistas acreditam que o número de baixas será maior.

O ministério da Defesa da Rússia voltou a mostrar vídeos dos mísseis de precisão que lança, alegadamente, a partir de zonas remotas contra alegados alvos militares.

Mas imagens de destruição, como as que chegam de Mariupol, estão longe de mostrar ataques cirúrgicos.

As autoridades da cidade dizem que mais de 300 civis morreram num ataque a um teatro, há uma semana. 130 pessoas foram resgatadas com vida.

Mas o pior ainda é possível, até porque cerca de 100 mil civis continuam bloqueados em Mariupol.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Três explosões em Lviv fazem cinco feridos

Controversa lei de mobilização entra em vigor na Ucrânia

Guerra na Ucrânia: dez mil pessoas obrigadas a abandonar Kharkiv