EventsEventosPodcasts
Loader
Find Us
Viktor Orbán garante mais um mandato à frente da Hungria
Viktor Orbán garante mais um mandato à frente da Hungria Direitos de autor AP Photo/Petr David Josek
Direitos de autor AP Photo/Petr David Josek
Direitos de autor AP Photo/Petr David Josek

Eleições na Hungria: "Uma vitória tão grande que pode ser vista da lua"

De  Francisco MarquesEuronews
Publicado a Últimas notícias
Partilhe esta notícia
Partilhe esta notíciaClose Button

Mais de oito milhões de húngaros foram chamados às urnas. As mesas de voto fecharam às 19 horas locais, com uma participação de 68,45%

PUBLICIDADE

A Hungria escolhe este domingo um novo governo. O primeiro-ministro Viktor Orbán, da União Cívica Húngara (Fidezs), era o favorito nas sondagens para se manter à frente do executivo magiar e confirmou-o, reforçando o título de líder europeu há mais tempo à frente do governo.

"Conseguimos uma vitória tão grande que pode ser vista da lua. Certamente pode ser vista de Bruxelas", afirmou Orbán, num recado para a Comissão Europeia com quem tem mantido um braço de ferro devido a reformas nacionais criticadas pela liderança do bloco.

Aos compatriotas, o primeiro-ministro reeleito disse: "Não tenham medo, aguentem, a pátria está convosco."

No discurso de vitória, Viktor Orbán disse ainda pretender manter a oposição à Comissão Europeia e disse que, juntos, os húngaros podem "derrubar todos os muros" e "nenhum dinheiro" os poderá parar.

"Deus acima de todos e a Hungria primeiro", foi a frase com que o primeiro-ministro reeleito selou a primeira declaração após assegurar o quinto mandato à frente da Hungria e com dois terços do Parlamento praticamente garantidos.

"Fomos escolhidos porque podemos garantir que a Hungria ficará de fora da guerra", afirmou István Hollik, o diretor de Comunicação do Fidezs.

Do lado da oposição, Péter Márki-Zay atirou a toalha ao chão. "Estou tão dececionado como toda a gente. Não quero esconder a minha desilusão. Nunca imaginámos este resultado. Não há como adoçar isto", afirmou o líder da Oposição Unida pela Hungria, que concentrou seis partidos num só candidato, mas falhou.

Reconhecemos a vitória do Fidezs. Não contestamos a vitória nestas eleições.
Péter Márki-Zay
Líder da coligação Oposição Unida pela Hungria

A participação acabou por confirmar-se abaixo dos números de há quatro anos, fixando-se nos 68,45% (em 2018, ficou nos 69,73%). A contagem dos votos está a decorrer, mas ainda longe de se poder adiantar uma tendência concreta.

Os resultados

Os resultados oficiais começaram ser conhecidos às 21 horas. Com 91% do escrutínio realizado, o Fidezs lidera com 53,3% dos votos depois de já ter começado acima dos 60% e a oposição continua a recuperar, mas lentamente, e soma 34,7% do escrutínio.

No "quartel-general" do Fidezs, o ambiente era de natural festa perante a perspetiva de poder voltar a conquistar dois terços do Parlamento magiar, revelavam diversas fontes no local.

Acima dos 5% necessários para entrar no Parlamento surge apenas nesta altura o Partido Movimento pela Nossa Pátria (Mi Hazánk), com 6,2% dos votos contados.

Nos resultados individuais já apurados, acima dos 92%, o Fidezs garante 88 assentos parlamentares e a Oposição Unida pela Hungria soma 18. Com os votos nas listas nacionais, o partido de Viktor Orbán chega aos 135 lugares contra 56 da coligação de oposição.

Comissão Eleitoral da Hungria
Dados das eleições com 91% do escrutínio completoComissão Eleitoral da Hungria

O Mi Hazánk soma 7 deputados pelas listas nacionais. O Partido Autogoverno dos Alemães Húngaros (MNOÖ) tem um deputado.

"Uma narrativa claramente falsa está a ser difundida pela ala pró-governo como se a paz fosse o problema que divide uma parte do país da outra. Enquanto todos desejam a paz, há consenso nisso, há uma parte do país que pensa que a outra quer entrar na guerra (da Ucrânia)", afirmou à Euronews, em Budapeste, a líder do Partido Momentum, Anna Donath, membro da Oposição Unida pela Hungria.

Cerca de uma hora após o fecho oficial das mesas de voto, Péter Márki-zay mostrava confiança na vitória e desejava não ter de depender dos votos no estrangeiro, ao revelar que a comissão eleitoral lhe teria dito não ser possível verificar a legalidade desses votos.

AP Photo/Anna Szilagyi
Início da contagem dos votos na HungriaAP Photo/Anna Szilagyi

O líder da coligação da oposição admitia que as eleições podiam vir a resultar numa crise constitucional na Hungria caso o Fidezs vencesse.

István Ujhelyi, do partido Socialista húngaro, acusou o governo de ter utilizado fundos públicos na campanha eleitoral do Fidezs.

O secretário de Estado para a Comunicação e Negócios Estrangeiros, Zoltán Kovács, defendeu que estas eleições não podem ser questionadas e assegurou que todos os envolvidos no processo, dentro e fora do país, cumpriram o trabalho de acordo com a lei.

PUBLICIDADE

Gergely Gulyás, ministro do gabinete do primeiro-ministro, apontou à vitória: "Vemos que a participação será alta e os dados mais recentes sugerem que será a mesma de há quatro anos."

A ONG "20K" está a acompanhar o processo eleitoral húngara e diz ter recebido 1.600 denúncias de irregularidades cometidas no sufrágio, nomeadamente no recursos ilícito a eleitores e à compra de votos. Alguns relatos indicam que o valor de um voto terá chegado aos 30 mil florins (82 euros).

Uma sondagem do "Fundo Húngaro para a Democracia" pela diáspora, nomeadamente com cerca de 10% dos eleitores nas mesas de voto de Viena, Berlim, Bruxelas, Londres e Munique sugere que 77,7% dos votos no estrangeiro beneficiaram a oposição a Viktor Orbán.

Taxa de participação nas eleições húngaras atualizadas

Às 18h30 locais (menos uma hora em Lisboa), tinham votado 67,8% dos cerca de 8,2 milhões de eleitores inscritos. Há quatro anos, a participação tinha sido de 68,13% à mesma hora e de 69,73% no final.

As mais de 10 mil mesas de voto em 3.154 municípios da Hungria fecharam às 19 horas. Só os eleitores que estavam nas filas para votar ainda o puderam fazer inclusive num referendo pela primeira vez em curso em dia de eleições parlamentares.

PUBLICIDADE
Noemi Bruzak/MTI via AP
Uma eleitora entra na cabine de voto envergando um fato tradicional húngaroNoemi Bruzak/MTI via AP

O referendo tinha por base a Lei da Proteção da Criança e procura saber a opinião popular, por exemplo, sobre "a exibição, sem qualquer restrição, de conteúdos mediáticos de natureza sexual capazes de influenciar o desenvolvimento de menores" ou a suposta promoção da homossexualidade junto dos menores.

O resultado do referendo foi claramente favorável aos desejos de Viktor Orbán, em linha com a proposta legal do governo para bloquear a informação de cariz sexual junto dos menores, mas os votos válidos não chegaram aos 50% necessários para legitimar a vontade do primeiro-ministro agora reeleito.

As mais de 10 mil mesas de voto em 3.154 municípios da Hungria fecharam às 19 horas. Só os eleitores que estavam nas filas para votar ainda o puderam fazer inclusive num referendo pela primeira vez em curso em dia de eleições parlamentares.O dia de voto ficou marcado por vários incidentes na Hungria. Em Jász-Nagykun-Szolnok, o delegado de uma das mesas de voto terá sido agredido por eleitores, noticia o portal Index.

Em Óbuda, terá sido um ativista idoso da oposição que terá sido espancado, lê-se no jornal Blik.

Como se elege?

As eleições húngaras dividiam-se em duas, com um voto a ir para uma lista partidária e outro para um circulo eleitoral. Dos 199 assentos disponíveis no Parlamento magiar, 106 foram decididos pelos círculos eleitorais, nos quais é elegido o candidato mais votado e não o partido ou coligação.

PUBLICIDADE

Os restantes 93 lugares foram escolhidos proporcionalmente de acordo com os votos nas listas nacionais.

Todos os cidadãos húngaros com idade adulta puderam votar e esses representam atualmente 8,2 milhões de eleitores. Os que têm a residência registada no estrangeiro apenas podiam votar nas listas nacionais e pelo correio.

Havia 146 mesas de voto abertas fora da Hungria para os cidadãos nacionais com residência no país, mas que estivessem a trabalhar no estrangeiro ou simplesmente fora do país no dia das eleições, mas tinham de se inscrever pelo menos uma semana antes para poder exercer esse direito.

A importância das eleições húngaras

As eleições na Hungria realizaram-se num momento crucial para a Europa. A retoma da pandemia de Covid-19 e a guerra em curso na Ucrânia estão a ter um enorme impacto na União Europeia.

O executivo de Viktor Orbán revelou-se um peso para a Comissão Europeia devido a reformas realizadas no país contrárias aos valores europeus, nomeadamente a repressão sobre meios de comunicação não alinhados com o Fidezs, o partido no poder, e também a proximidade a Vladimir Putin, o Presidente da Rússia e provavelmente o líder mais odiado do momento na União Europeia.

PUBLICIDADE

Orbán acabou por ser inclusive atacado pelos países vizinhos Chéquia, Eslováquia e Polónia pela maior proximidade diplomática ao Kremlin do que a Bruxelas.

Os candidatos

O líder húngaro afastou-se também dos princípios europeus com a reforma do sistema judicial, que ficou mais dependente do governo e com isso colocou em causa o Estado de Direito. A gestão da migração é outro ponto de discórdia entre Budapeste e Bruxelas.

A comissão Europeia ameaçou a Hungria com a suspensão dos fundos europeus até que o governo se alinha-se com os pilares do bloco.

Conotado com a extrema-direita, Orbán é primeiro-ministro da Hungria desde 2010 depois de já ter ocupado o lugar entre 1998 e 2002, e conseguiu nestas eleições o quinto mandato à frente do governo.

O principal adversário era Peter Marki-Zay, líder de uma coligação de seis partidos da oposição, que defende uma Hungria alinhada com a União Europeia e prometia reaproximar Budapeste de Bruxelas, combatendo a corrupção no país.

PUBLICIDADE

O objetivo principal desta coligação era derrubar Orbán do governo e, para isso, concentraram-se num só candidato, eleito numas primárias. Marki-zay é um católico conservador, tem sete filhos e há quatro anos venceu uma autarquia numa região conhecida pela habitual supremacia do Fidezs: Hódmezővásárhely.

Orbán e Marki-zay eram os principais favoritos à vitória, com vantagem para o primeiro-ministro cessante, que se confirmou largamente.

AP Photo/Petr David Josek/Anna Szilagyi
O primeiro-ministro recandidato Viktor Orbán e o principal adversário Péter Márki-zayAP Photo/Petr David Josek/Anna Szilagyi

Aparte deles, havia dois partidos de pequena dimensão também na corrida e com possibilidades de conseguir os 5% de votos necessários na Hungria para garantirem representação parlamentar.

O Mi Hazánk Mozgalom é um partido da direita mais moderada que acolheu alguns antigos militantes do Jobbik, uma força nacionalista radical. Este partido de direita subiu nas preferências durante a pandemia, sendo o único na oposição às vacinas anticovid e acabou por ser premiado com sete deputados.

O outro é um partido irónico chamado "Partido do Cão de Duas Caudas", fundado em 2006 e registado oficialmente em 2014, sendo famoso por parodiar a elite política magiar.

PUBLICIDADE

As prioridades dos principais candidatos é a retoma económica após a pandemia e agora, com o impacto da guerra na Ucrânia e as respetivas ondas de choque a afetar sobretudo o mercado energético e o abastecimento de matérias primas e produtos essenciais como o trigo ucraniano e russo.

Partilhe esta notícia

Notícias relacionadas