"Temos visto provas muito claras de crimes de guerra"

Estão a ser recolhidas provas das alegadas atrocidades cometidas na Ucrânia
Estão a ser recolhidas provas das alegadas atrocidades cometidas na Ucrânia Direitos de autor AP Photo/Rodrigo Abd
De  euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Comissário Europeu da Justiça diz que estão a ser recolhidas provas que comprovam atrocidades, alegadamente, cometidas por tropas russas na Ucrânia

PUBLICIDADE

As imagens de cadáveres de civis, espalhados pela cidade ucraniana de Bucha, chocaram o mundo... Os soldados russos terão, alegadamente, cometido crimes de guerra, na Ucrânia.

O Governo de Vladimir Putin continua a negar todas as acusações e acusa o Governo de Kiev e o Ocidente de encenações.

A euronews entrevistou o Comissário Europeu da Justiça, Didier Reynders

"O primeiro objetivo é recolher provas - armazenar essas provas, dar ferramentas suficientes a todos os procuradores na Ucrânia, no Tribunal Penal Internacional e em diferentes Estados-membros devido à competência universal não só para organizar a investigação, mas também para processar e tentar trazer os responsáveis à justiça".

Marina Stoimenova, euronews: O que é que já sabe? Recolheram-se provas... Estamos mesmo a falar de crimes militares?

DR: "Certamente, agora, em Bucha, e noutras cidades, temos visto provas muito claras de crimes de guerra, mas para ir mais longe precisamos de recolher todas as provas possíveis - vídeos, testemunhos e todo o tipo de provas possíveis". Estamos todos chocados com as imagens, mas o prazo para o sistema judicial é bastante longo, mas precisamos novamente de recolher provas para iniciar processos e organizar, no final, um julgamento", conclui.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Ursula von der Leyen na Ucrânia para discutir adesão, apoio financeiro e sanções à Rússia

Peritos da ONU dizem que Rússia continua a cometer crimes de guerra

Dois mísseis russos atingem cidade no leste da Ucrânia fazendo pelo menos sete mortos