EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

Quase 4,7 milhões de refugiados da guerra na Ucrânia

Refugiados ucranianos
Refugiados ucranianos Direitos de autor Sergei Grits/Copyright 2022 The Associated Press. All rights reserved
Direitos de autor Sergei Grits/Copyright 2022 The Associated Press. All rights reserved
De  Euronews
Publicado a Últimas notícias
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Segundo o ACNUR, quase 4,7 milhões de pessoas já fugiram da Ucrânia desde o início da invasão russa e mais de 7 milhões estão deslocadas no país

PUBLICIDADE

Por todos os meio possíveis, os civis apressam-se a fugir das cidades de Slovyansk e Kramatorsk, no leste sitiado da Ucrânia, enquanto a Rússia se prepara para renovar a ofensiva na região do Donbass.

A maioria não faz ideia de para onde ir mas sabe que é vital fugir, como Nadiya Zhizhunas.

"Estou aterrorizada com a guerra. É preciso perceber que ninguém sabe o que vai acontecer aqui. Talvez seja tão horrível como Mariupol. Não podemos saber ao certo. Eu estive aqui até ao último momento. Só para que saibam, vim aqui no dia 24 de fevereiro. Fui apanhado por bombardeamentos na fronteira com Belgodor", diz.

Muitos preferem permanecer na Ucrânia, mas um total de 4.615.830 pessoas fugiram do país desde a invasão ordenada por Vladimir Putin e mais de sete milhões estão deslocadas no país. Segundo o Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR), quase dois terços das crianças ucranianas deixaram os seus lares nas últimas seis semanas.

O fluxo para a Polónia tem sido constante. Segundo a ONU, os números dos que chegam têm diminuído, mas os que recentemente têm atravessado a fronteira estão num estado mais vulnerável. Poucos dizem ter um plano ou um destino para onde ir. Muitos têm apenas a esperança de regressar a casa o mais depressa possível.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

ONU lamenta recorde de 100 milhões de deslocados no mundo

Treinador ucraniano de pólo aquático encontra paz em Portugal

Aos poucos, aldeias de Kharkiv e Zaporíjia vão sendo reconstruídas