Reino Unido e Finlândia assinam acordo para cooperação militar

Reino Unido e Finlândia assinam acordo para cooperação militar
Reino Unido e Finlândia assinam acordo para cooperação militar Direitos de autor Frank Augstein/ The Associated Press
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Helsínquia garante apoio de Boris Johnson, face às ameaça da Rússia. Suécia recebe as mesmas garantias, num momento em que os dois países estão mais perto que nunca de aderir à NATO.

PUBLICIDADE

O Reino Unido e a Finlândia assinaram, esta quarta-feira, um acordo bilateral de Defesa. O documento vem garantir um apoio militar a Helsínquia, ainda antes de uma eventual e provável adesão à Aliança do Atlântico Norte (NATO), e está já a reconfigurar a arquitetura da Defesa europeia.

Na iminência de pedir a chave de entrada para a NATO, o presidente finlandês garantiu que a decisão não está a ser tomada contra ninguém, - numa clara alusão à Rússia - mas que merece uma reflexão por parte de Vladimir Putin.

Aos jornalistas, o presidente finlandês, Sauli Niinistö, disse que "eles estão prontos para atacar um país vizinho. Portanto, quando se pergunta como é que eles veem a possível adesão finlandesa. Bem, na eventualidade de aderirmos, a minha resposta seria 'Vocês causaram isto. Olhem para o espelho'".

Suécia também pondera adesão à NATO

Horas antes da assinatura do acordo com a Finlândia, as mesmas garantias eram oferecidas por Boris Johnson à Suécia.

Tal como Helsínquia, Estocolmo mantém a neutralidade em conflitos armados desde a Segunda Guerra Mundial, apesar de uma aproximação à NATO desde a entrada na União Europeia.

Mas até uma adesão oficial e ao apoio efetivo dos aliados em caso de ataque, os suecos veem-se num período de transição particularmente vulnerável, que o acordo com o Reino Unido vem agora acautelar.

Numa declaração conjunta aos jornalistas, a primeira-ministra sueca reconheceu a importância do acordo "qualquer que seja a escolha de política de segurança para o futuro" e admitiu estar "a explorar diferentes opções". 

Magdalena Andersson revelou ainda que essas discussões estão a ser feitas "entre o governo e todos os partidos políticos no parlamento" e que "todas as opções possíveis" estão "em cima da mesa", entre elas a da adesão à NATO.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Finlândia prepara civis com treinos militares

Suécia e Finlândia aproximam-se da NATO. Quais os passos para aderir?

Tiroteio na Suécia: "Foi ultrapassado novo limite", diz primeiro-ministro