EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Destruição em Mykholaiv

Edifício destruído na Ucrânia
Edifício destruído na Ucrânia Direitos de autor Euronews
Direitos de autor Euronews
De  euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Ucranianos lutam para expulsar os invasores russos

PUBLICIDADE

No sul da Ucrânia, as cicatrizes da incursão da Rússia estão por toda a parte

Quando a sede do Governo regional de Mykolaiv foi atingida, o porta-voz Dmytro Pletenchuk estava aqui perto.

"Nesse dia, os russos falaram-nos de paz. Nesse dia, houve negociações. Agem sempre assim em todo o lado." Pletenchuk diz que o edifício é, agora, um lembrete do que a Rússia é capaz de fazer e agora "é como um monumento do mundo da Rússia."

Morreram aqui 36 pessoas.

No mesmo dia, o aeroporto de Mykolaiv foi atingido.

Pletenchuk acredita que esta guerra faz parte de uma estratégia mais ampla.

"Eles querem reconstruir a URSS. E sem a Ucrânia... Eles têm a Bielorrússia, mas sem a Ucrânia é impossível. Não podem viver em liberdade, mas nós podemos. Nós queremos, por isso lutamos", afirma. O ucraniano quer os russos fora do país, de todo o país: "Do Donbass, da Crimeia... A Crimeia é da Ucrânia".

Até que isso seja possível, as tropas ucranianas têm de lutar ainda mais e retomar o controlo de Kherson, que foi a primeira cidade a ser controlada pela Rússia e onde fica um dos mais importantes portos da Ucrânia.

À medida que nos aproximamos mais da linha da frente, encontramos mais provas de que este se tornou um dos principais focos desta invasão.

O comandante “Nesquik”, como é conhecido, refere que "Kherson é muito importante. É a única rota terrestre para a Crimeia, a primeira. A água potável para Crimeia vem, também, de lá através do rio Dnieper".

"Nesquik" nasceu em Kherson e, aos 26 anos, comanda 900 homens que lutam para recuperar a cidade.

As notícias dos avanços das tropas ucranianas, no norte, são um estímulo para o moral dos soldados que se encontram aqui.

"Penso que retomemos Kherson até ao outono. Isto é no futuro... É que a linha da frente não se limita apenas à região de Kherson, ou ao sul do nosso país. A Rússia tem uma fronteira muito forte connosco e sofre perdas em todo o lado. Colocam uma grande ênfase no leste da Ucrânia, nas regiões de Donetsk e Luhansk. Kherson não é um problema para libertar, é preciso lembrar que existem regiões onde será muito mais difícil trabalharmos", afirma o jovem.

Falta ainda muito tempo até que os habitantes de Mykolaiv possam pensar em reconstruir tudo.

Por agora, resignam-se a permanecer aqui.

Algo que por si só, constitui um a to de grande bravura.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

ONU aprova investigação a crimes de guerra na Ucrânia

Ucrânia: Bruxelas quer criar vias solidárias para contornar bloqueios comerciais

Ucrânia recupera território em Kharkiv mas no Donbass é a Rússia que avança