This content is not available in your region

Suíços plebiscitam a participação do país na Frontex

Access to the comments Comentários
De  Euronews
euronews_icons_loading
Cartazes da campanha do referendo na Suíça
Cartazes da campanha do referendo na Suíça   -   Direitos de autor  Screengrab by AP Video

A participação Suíça na Frontex - a agência europeia da segurança das fronteiras - saíu reforçada do referendo deste domingo.Os suíços plebiscitaram o novo regulamento que prevê o aumento da contribuição helvética para a agência.

O sentido do voto era esperado, mas os mais de 70% de votos expressos foram surpreendentes.

Karin Keller-Sutter, membro do conselho federal e responsável pelo Departamento de Justiça e Polícia, justifica: "A guerra na Ucrânia mostra a importância da cooperação e da solidariedade no espaço Schengen. Os benefícios da Frontex e da associação Schengen-Dublin são muito importantes para a Suíça".

Apesar das cíticas à agência europeia, Sanija Ameti, co-presidente do movimento político "Opération Libero" manifesta satisfação pela escolha dos suíços de manterem o país na Frontex

"Se a Suíça quiser impedir estas violações dos direitos humanos, deve continuar a fazer parte dela, para ajudar a moldar Schengen e ajudar a controlar a Frontex. Desistir não é uma solução".

Em referendo estava também a alteração da lei do cinema por causa das plataformas de streaming. Os suíços aprovaram a nova lei que obriga a Netflix e as outras plataformas a afetarem ao setor na Suíça, 4% das suas receitas brutas no país.

Os helvéticos foram também chamados a pronunciarem-se sobre a doação de órgãos. Com o "sim" neste referendo, a sociedade suíça parte para um novo paradigma: A partir de agora, todos são presumíveis dadores de órgãos.