Rússia controla 80% de Severodonetsk depois de bombardear pontes

AP
AP Direitos de autor Alexei Alexandrov/Copyright 2022 The Associated Press. All rights reserved.
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Tropas de Putin admitem criar um corredor humanitário para retirar civis da fábrica Azot

PUBLICIDADE

Rússia destrói todos os acessos a Severodonetsk e passa a controlar 80% da cidade. Depois de semanas de ataques, é o avanço das tropas de Putin

Três pontes estratégicas de acesso à cidade foram bombardeadas pelo exército russo. O governador da região leste de Luhansk diz que retirar civis de Severodonetsk "em grande escala" é agora "simplesmente impossível", mas admite que há uma janela de oportunidade para algumas pessoas conseguirem sair.

“Ainda há uma oportunidade para a retirar os feridos", disse à AP, acrescentando que os soldados russos "não bloquearam completamente" a cidade estratégica. O governador admitiu ainda que as autoridades ucranianas estão a "tentar retirar os feridos" da cidade, com ajuda de militares. 

Volodymyr Zelensky diz que é necessário "aguentar Donbass" para aguentar a guerra. "Donbass é a chave para decidir quem vai dominar nas próximas semanas.", admitiu o presidente ucraniano, no discurso noturno. 

Corredor humanitário para retirar civis

Na fábrica Azot, de produtos químicos, em Severodonetsk, estão abrigados 500 civis. Moscovo admitiu criar um corredor humanitário para retirar as pessoas do edifício. Ao acontecer, as pessoas serão levadas para territórios controlados pela Rússia.

A Rússia está a usar dez vezes mais artilharia do que a Ucrânia. Restam sair 12 mil pessoas de Severodonetsk. Antigamente moravam na cidade estratégica 100 mil pessoas.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Situação em Severodonetsk é cada vez mais difícil mas Kiev não se rende

Kiev reconhece ter perdido o controlo do centro de Severodonetsk

Zelenskyy descreve luta em Severodonetsk como "das mais difíceis" de sempre