EventsEventosPodcasts
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Rachel Keke: De empregada de quartos a deputada francesa

Rachel Keke, deputada eleita para a Assembleia Nacional francesa
Rachel Keke, deputada eleita para a Assembleia Nacional francesa Direitos de autor Thibault Camus/Copyright 2022 The Associated Press. All rights reserved
Direitos de autor Thibault Camus/Copyright 2022 The Associated Press. All rights reserved
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

A empregada de quartos franco-marfinense, Rachel Keke, foi eleita deputada em França e diz que vai "fazer ouvir as voz das profissões que não têm voz"

PUBLICIDADE

A camareira Rachel Keke candidata da aliança de esquerda, Nupes derrotou a antiga ministra do Desporto, Roxana Maracineanu, nas legislativas deste domingo, em França.

No sétimo círculo eleitoral de Val-de-Marne, Kéké obteve 50,30% dos votos, contra 49,70%, de Maracineanu.

Com 47 anos, a francesa nascida na Costa do Marfim define-se como uma "guerreira" e quer "fazer-se ouvir" no Palácio Bourbon. Na celebração da vitória, frente aos seus apoiantes, disse:

"Esta noite, sou uma deputada, deputada eleita, não consigo dizer a palavra: deputada! É isso? "De-pu-ta-da"!

"Eu sou a voz dos sem voz. Sou empregada de quartos, sou empregada de limpeza, agente de segurança, auxiliar de saúde, assistente ao domicílio, sou todas estas profissões invisíveis. E na Assembleia Nacional, estas profissões serão visíveis".

Esta ativista sindical deu nas vistas durante a greve de 22 meses das empregadas de quarto do hotel Ibis Batignolles em Paris, entre 2019 e 2021, que lutavam por melhores salários e condições de trabalho.

Uma apoiante, Amel Matouk, manifesta a sua alegria: "O facto de ver uma mulher de cor, uma empregada de limpeza, uma mulher corajosa, chegar à Assembleia Nacional, para mim, é tão simbólico; para mim, já é uma vitória".

Mãe de cinco filhos, Rachel Keke nasceu em 1974 em Abobo, a norte de Abidjan, de uma mãe que vendia roupa e de um pai que conduzia um autocarro. Chegou a França em 2000 e foi naturalizada em 2015.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Estes são os melhores hotéis do mundo para 2023 e 21 deles estão na Europa

Chega conquista eleitorado jovem: os porquês

À quarta foi de vez: Aguiar Branco eleito presidente da Assembleia da República