EventsEventosPodcasts
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Agricultura, fome e migração em África

Carência alimentar agravou-se nos últimos meses no continente
Carência alimentar agravou-se nos últimos meses no continente Direitos de autor ANTÓNIO SILVA/ 2020 LUSA - Agência de Notícias de Portugal, S.A.
Direitos de autor ANTÓNIO SILVA/ 2020 LUSA - Agência de Notícias de Portugal, S.A.
De  Miguel Roque Dias
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Especialistas afirmam que África poderá ser, no futuro, solução para a crise alimentar que se vive no mundo e que foi agravada pela guerra na Ucrânia. Milhões rumam à Europa fugindo à fome

PUBLICIDADE

Com a crise alimentar mundial a agravar-se, devido à guerra na Ucrânia, os olhos do mundo voltam-se para África em busca de soluções. No entanto, os especialistas consideram que é ainda cedo pois o continente não está preparado.

"É bem sabido que a produtividade, em particular entre os agricultores, é muito baixa. A revolução verde que mudou drasticamente a produtividade e a produção, particularmente na Ásia e também na América Latina, não teve realmente esse impacto em África. Penso que uma das preocupações é que os mercados não estão a funcionar particularmente bem em África", afirma o professor da Universidade de Estocolmo Jakob Svensson.

As alterações climáticas são, também um fator importante. O Corno de África, por exemplo, enfrenta a pior seca das últimas décadas. As Nações Unidas dizem que dezenas de milhões de pessoas, no continente, passam fome.

Muitos fogem em busca de uma vida melhor. Alguns rumam à Europa.

Entre janeiro e maio deste ano, a FRONTEX registou a chegada de cerca de 86.000 migrantes ilegais.

Durante a pandemia da Covid-19 registou-se uma ligeira diminuição da chegada de migrantes ilegais à Europa, mas foi temporária.

Para a professora e investigadora da Nova SBE e da NOVAFRICA,Cátia Batista“neste momento, estamos a assistir a uma situação muito mais desesperada. Assistimos a famílias inteiras a saírem de África ocidental e o que estamos a ver é que há novas rotas. Tipicamente, a rota que tinha mais mortes era a rota do Mediterrâneo Central em que as pessoas chegam da África Ocidental, atravessavam o deserto do Sara, e tinham muitos problemas na Líbia… Neste caminho do deserto e na Líbia morriam muitas pessoas sobre as quais não sabemos quase nada. Nós falamos sempre do Mediterrâneo, mas a maior parte das pessoas que tenta via morre no deserto, morre na Líbia ou está em situações de trabalho forçado. O que assistimos agora é um aumento, portanto, desde o ano passado, 2021, os números já chegaram aos números de pré-pandemia. Os números estão a aumentar agora em 2022, as mortes estão a aumentar. Para além disso, há novas rotas. Assistimos, agora, a muitas famílias a tentarem chegar às ilhas Canárias… Esta rota não existia antes da pandemia.”

A crise alimentar, as migrações, as reformas económicas e políticas em África, são alguns dos temas discutidos, durante dois dias, na Conferência NOVAFRICA.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

FAO diz que país vive uma crise histórica

Guerra ameaça agricultura ucraniana e potencia fome a nível global

Seca severa na Etiópia: milhões de pessoas em insegurança alimentar