EventsEventos
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Alemanha quer solução para exportar trigo ucraniano

"É uma crise de fome que paira sobre nós como uma onda que ameaça a vida", dir a chefe da diplomacia alemã.
"É uma crise de fome que paira sobre nós como uma onda que ameaça a vida", dir a chefe da diplomacia alemã. Direitos de autor Bernd von Jutrczenka/(c) Copyright 2022, dpa (www.dpa.de). Alle Rechte vorbehalten
Direitos de autor Bernd von Jutrczenka/(c) Copyright 2022, dpa (www.dpa.de). Alle Rechte vorbehalten
De  euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Governo alemão quer acabar com a dependência das exportações russas e encontrar soluções para tirar trigo da Ucrânia de modo a colocar fim à crise alimentar global

PUBLICIDADE

A Alemanha acusou Vladimir Putin de "usar a fome como arma", e salientou que é preciso encontrar formas alternativas permanentes de exportar trigo ucraniano e de pôr fim à dependência das exportações russas.

Berlim recordou que as exportações ucranianas de cereais caíram de cinco milhões de toneladas por mês, antes da guerra, para 350.000 no início da invasão russa.

A ministra germânica dos Negócios Estrangeiros afirmou que esta "é uma crise de fome que paira sobre nós como uma onda que ameaça a vida. Algumas das razões não são novas: conflitos regionais, especialmente no Afeganistão, domínio dos Talibãs, secas, consequências da crise climática e também as consequências da Covid-19, mas foi a guerra de agressão de Rússia contra a Ucrânia que transformou uma onda num tsunami". Annalena Baerbock recordou, ainda, que 345 milhões de pessoas em todo o mundo estão seriamente ameaçadas pela escassez de alimentos devido a conflitos regionais, secas, as consequências das alterações climáticas e o impacto da pandemia do novo coronavírus.

Numa conferência ministerial híbrida do G7, em Berlim, sobre Segurança Alimentar Global, o secretário-geral das Nações Unidas alertou para o "risco real" de serem declaradas várias fomes este ano. António Guterres frisou, ainda que há "catástrofes" iminentes em vários países, por isso "2023 pode ser ainda pior".

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Bombardeamentos russos voltam a Kiev

Zelenskyy diz que Rússia ameaça "milhões de pessoas" com fome

Palestinianos fazem fila para comprar pão numa padaria na cidade de Gaza