This content is not available in your region

F1: Max Verstappen vence Grande Prémio de França

Access to the comments Comentários
De  Euronews
euronews_icons_loading
Max Verstappen (Red Bull), campeão em título, vencedor do Grande Prémio de França de Fórmula 1
Max Verstappen (Red Bull), campeão em título, vencedor do Grande Prémio de França de Fórmula 1   -   Direitos de autor  SYLVAIN THOMAS/AFP or Licensors

Max Verstappen venceu o Grande Prémio de França de Fórmula 1

Com esta vitória, o piloto holandês ganha um avanço de 63 pontos sobre o seu rival, Charles Leclerc, vítima de uma saída de pista na décima oitava volta do circuito Paul Ricard.

Leclerc começou muito bem e liderou a corrida, embora sob pressão do holandês, mas na 18ª volta perdeu o controlo do seu Ferrari, saindo fora da pista e acabando nos pneus de segurança.

O piloto não escondeu a frustração, que também foi vivida pelos fãs.

Com o seu principal rival fora do caminho, Verstappen não voltou a ver a liderança em risco até ao final da corrida, a sua segunda vitória consecutiva em França; a sétima da época e a 27º da sua carreira, aos 24 anos de idade.

Lewis Hamilton alcançou o 2º lugar no seu 300º Grande Prémio. Pela primeira vez na sua carreira, o sete vezes campeão mundial, de 37 anos, ainda não ganhou uma corrida esta temporada, após 12 rondas, devido a um Mercedes que não está à altura dos melhores.

Este segundo lugar é, em si mesmo, um record, com a 187° presença no pódio.

O seu companheiro de equipa, George Russell, deu à Mercedes um primeiro pódio duplo esta época, ultrapassando Pérez logo no final da corrida.

Atrás dele, Carlos Sainz, que começou em 19º lugar devido a uma mudança de motor para além da quota de três permitidos por época, conseguiu subir de novo para o 5º lugar e continua em 4º lugar no campeonato de pilotos com um ponto de vantagem sobre Russell.

Esta edição foi a última do contrato entre a F1 e o Grande Prémio de França, que voltou ao calendário depois de uma ausência de dez anos.

Em 2023, a França, tal como a Bélgica e o Mónaco, que ainda não renovaram a sua parceria, poderão vir a desaparecer do programa ou ser oferecida aos três países uma rotação de um ano para o outro.