Dia de reflexão em Angola mas eleitores parecem já ter decidido

Transeuntes em Luanda
Transeuntes em Luanda Direitos de autor João Peseiro Monteiro/Euronews
De  João Peseiro Monteiro
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Mais de 14 milhões de eleitores deslocam-se às urnas esta quarta-feira, para eleger os deputados da Assembleia Nacional. Apesar da lei impor um dia de reflexão, a maioria parece já ter decidido em quem votar.

PUBLICIDADE

Na véspera do dia de eleições gerais em Angola, o período de reflexão imposto por lei pôs termo às atividades de campanha e de propaganda dos partidos políticos.

Nas ruas da capital, Luanda, a reflexão parece estar feita e a decisão tomada. Para quem este dia é um dia de trabalho como outros tanto, o desejo é apenas um:

“Que amanhã, dia de festa da democracia, votemos com paz, com tranquilidade e para que possamos eleger, de facto, os nossos representantes do país e possamos, de facto, aferir e acompanhar de perto este processo. E que corra tudo bem” - sublinha um transeunte.

A esperança é a nota dominante de quantos se preparam para ir votar, refere um vendedor ambulante: “Espero poder ver melhoria em certos aspetos, melhorias em muitas coisas."

Apesar dos oito concorrentes às eleições gerais e os meios de comunicação social respeitarem o período reflexão, muita informação permanece disponível na internet. Verdadeira e falsa.

Com mais de 13 mil assembleias de voto recenseadas para a jornada eleitoral, muitos dos 14 milhões de potenciais eleitores já sabem onde é irão votar.

As escolas são o local preferencialmente escolhido para servir de assembleia de voto, mas outros locais públicos, como creches ou igrejas vão também servir para os eleitores depositarem o seu voto no dia 24 de agosto.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Voto da juventude será decisivo

Moldova denuncia esforços da Rússia para influenciar referendo sobre UE

Presidenciais eslovacas: vitória de Pellegrini reforça governo eurocético de Robert Fico