This content is not available in your region

A despedida de Boris Johnson

Access to the comments Comentários
De  Euronews
Boris Johnson frente a Downing Street
Boris Johnson frente a Downing Street   -   Direitos de autor  Kirsty Wigglesworth/The Associated Press

Na hora do adeus, Boris Johnson veio fazer um último discurso enquanto primeiro-ministro em jeito de balanço. Isto antes de deslocar-se à Escócia, a Balmoral, para oficializar a demissão junto da rainha Isabel II.

A monarca irá então solicitar a Liz Truss a formação de um novo governo. 

Se o meu cão Dylan e o meu gato Larry conseguem ultrapassar as divergências, também o Partido Conservador consegue.
Boris Johnson
Primeiro-ministro demissionário

"Tenho orgulho em dizer que cumpri as promessas feitas ao meu partido, conquistando a mais significativa maioria desde 1987, a maior percentagem de votos desde 1979, tendo concretizado o Brexit e garantindo que a Grã-Bretanha se ergue mais uma vez no mundo", declarou Johnson.

Claro que não faltou um momento da originalidade que lhe é conhecida: "Está na altura de os Conservadores deixarem as políticas para trás e de responderem às necessidades das pessoas. Agradeço a todos os que cuidaram de mim e da minha família nos últimos três anos. Se o meu cão Dylan e o meu gato Larry conseguem ultrapassar as divergências, também o Partido Conservador consegue".

O Reino Unido atravessa um momento turbulento económica e socialmente, estando no horizonte o cenário de recessão. O país vive num impasse desde julho. O afastamento de Johnson paralisou a tomada de decisões estruturais. Prevê-se que Truss anuncie ainda esta semana um pacote de medidas excecionais de apoio aos britânicos face à inflação, entre as quais o congelamento dos preços no setor energético.

Johnson esteve três anos no poder, três anos recheados de controvérsias, desde as festas em período pandémico, à alegada proteção oferecida a um responsável conservador acusado de abusos sexuais. Tudo culminou com uma avalanche de demissões de ministros próximos em julho.

À partida, assumirá agora o mandato de deputado. No entanto, o próprio ainda não se manifestou sobre o seu percurso no futuro.