Total investe 1,5 mil milhões de dólares na produção de gás no Qatar

Gigante energético francês, Total
Gigante energético francês, Total Direitos de autor Jan Woitas/(c) Copyright 2022, dpa (www.dpa.de). Alle Rechte vorbehalten
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

O gigante energético francês, TotalEnergies, vai tornar-se o primeiro parceiro europeu para a produção de gás do Nord Field South, no Qatar

PUBLICIDADE

A TotalEnergies francesa vai investir 1,5 mil milhões de dólares na expansão de produção de gás natural no Qatar, no projeto Nort Field South.

Com o fechar das torneiras na Rússia, a Europa vira-se para o gás do Qatar que antes rejeitava. Há conversações também com a Grã-bretanha, Alemanha e Estados Unidos. 

Estima-se que o Nord Field South tenha 10% das reservas mundiais de gás natural.

O gigante francês da energia terá uma participação de 9,3% no projeto e será o primeiro parceiro estrangeiro do vasto campo de exploração, anunciou o ministro da Energia do Qatar, Saad Sherida Al-Kaabi, numa conferência de imprensa ao lado do chefe executivo da TotalEnergies, Patrick Pouyanne.

Kaabi disse que a TotalEnergies também ajudaria a financiar a extração de gás do Campo Norte Sul, do qual 25% será reservado a empresas energéticas estrangeiras.

O papel "estratégico reforçado" do grupo energético francês na expansão do gás do Qatar, ajudará o país a aumentar a sua produção de Gás Natural Liquefeito (GNL) em mais de 60 por cento até 2027.

O Qatar já é um dos maiores produtores mundiais de GNL, juntamente com os Estados Unidos e a Austrália, e espera-se que o GNL de North Field South comece a ser distribuído em 2026.

A Coreia do Sul, o Japão e a China têm sido os principais mercados para o GNL do Qatar.

No passado, a Europa rejeitou os acordos de longo prazo que o Qatar procura para a sua energia, mas a invasão russa da Ucrânia, em fevereiro obrigou a uma mudança de atitude.

O gás do Qatar está entre os mais baratos de produzir e alimentou um boom económico no pequeno Estado, que se tornou um dos países mais ricos do mundo.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Preservar a identidade do Qatar através do seu património arquitetónico

Aos 19 anos, Diogo Ribeiro torna-se bicampeão mundial em natação

As mesquitas e as casas históricas são as maravilhas arquitetónicas do Qatar