EventsEventosPodcasts
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

47% dos russos ansiosos devido à mobilização militar

Vladimir Putin, Presidente da Rússia.
Vladimir Putin, Presidente da Rússia. Direitos de autor AP Photo
Direitos de autor AP Photo
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Esta é a conclusão do instituto russo independente Levada.

PUBLICIDADE

Na Rússia, 47% dos cidadãos sente ansiedade devido à mobilização militar, anunciada por Vladimir Putin para reforçar o contingente militar na Ucrânia. Do total de habitantes, apenas 23% sente 'orgulho' . Esta é a conclusão do instituto russo independente Levada.

No decorrer do processo, estão a ser registados vários erros, conforme admitiu o Presidente russo, numa declaração feita esta quinta-feira, 29 de setembro.

Os erros precisam de ser corrigidos e evitados no futuro
Vladimir Putin
Presidente da Rússia

“Surgiram várias questões durante esta mobilização e estes erros precisam de ser corrigidos e evitados no futuro. Erros na mobilização de cidadãos que podem esperar, por exemplo, pais que têm muitos filhos, pessoas que sofrem de doenças crónicas ou aqueles que não se encontram na faixa etária que é aceite", começou por referir o chefe de Estado russo.

O líder do Kremlin disse ainda que a situação deveria ser vista caso a caso: "É preciso gerir cada caso, de forma individual, e, se cometemos este erro, repito, temos de o corrigir e trazer de volta à casa aqueles que foram convocados contrariamente às exigências da mobilização”.

AP Photo
Cidadãos russos compram equipamento militar.AP Photo

De acordo com vários testemunhos, as autoridades russas estão a pedir àqueles que vão combater para trazer o seu próprio equipamento, incluindo capacetes à prova de bala. Muitas lojas têm estado lotadas nos últimos dias. Alguns reservistas já estão a receber o material, mesmo antes de serem convocados.

Já outros temem a mobilização parcial e estão a fugir para os países vizinhos, como é o caso da Geórgia.

As filas na fronteira continuam a contar com vários quilómetros de comprimento e as autoridades georgianas estão a prestar assistir humanitária a quem tenta fugir da guerra.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Número de migrantes russos dispara na Geórgia e perturba mercado imobiliário

Russos fogem da "mobilização parcial" convocada por Valdimir Putin

Putin ameaça a Alemanha: Rússia pode fornecer armas para atingir alvos ocidentais