Restauro da obra "Alegoria da Inclinação" de Artemisia Gentileschi em Florença

"Alegoria da Inclinação" - obra de Artemisia Gentileschi
"Alegoria da Inclinação" - obra de Artemisia Gentileschi Direitos de autor Olga Makarova
De  Patricia Tavares
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Projeto retira camadas de censura e revela pinceladas de nudez.

PUBLICIDADE

Um projeto de restauro de 6 meses, em Florença, para retirar camadas de censura e revelar as pinceladas de nudez na "Alegoria da Inclinação". A obra de Artemisia Gentileschi, a mulher mais proeminente da história da arte italiana, está a ser restaurada na cidade italiana de Florença. Em 1916, a artista pintou uma mulher nua em tamanho real, os especialistas acreditam tratar-se de um autorretrato - que, 70 anos depois, foi coberto com véus feitos com o pincel da censura. 

A obra foi feita para a casa de família de Michelangelo Buonarotti, o sobrinho-neto do famoso artista. O edifício tornou-se mais tarde no museu Casa Buonarotti.

O facto de ela estar a pintar a "Alegoria da Inclinação" e de pintar com o que acreditam ser o seu rosto é também significativo, porque as mulheres artistas na história, não tinham apenas de pintar e pintar bem, também tinham de se auto-promover a si próprias.
Linda Falcone
Coordenadora do Projeto, Artemisia Up Close

O público pode assistir ao processo de restauro no museu Casa Buonarotti até 23 de abril.

AP Photo
"Alegoria da Inclinação" - Artemisia GentileschiAP Photo

O projeto Artemisia Up Close, para revelar a pintura original, é uma homenagem à contribuição da artista à arte barroca italiana e à quebra dos padrões num mundo artístico dominado por homens na altura.

Um mundo que a viu ser violada por um dos professores, mas Artemisia Gentileschi quis transformar esta experiência em arte.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Basílica em Veneza vai ser remodelada com 3,3 milhões de euros

Morreu o estilista Roberto Cavalli aos 83 anos

Greve em Itália após explosão mortal em central hidroelétrica