"As Nadadoras"

A atriz Manal Issa posa para fotógrafos à chegada para a estreia do filme 'As nadadoras' durante o BFI London Film Festival 2022
A atriz Manal Issa posa para fotógrafos à chegada para a estreia do filme 'As nadadoras' durante o BFI London Film Festival 2022 Direitos de autor Vianney Le Caer/2022 Invision
Direitos de autor Vianney Le Caer/2022 Invision
De  euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Filme do Netflix retrata história real de duas refugiadas sírias: Yusra e Sarah Mardini. Yusra participou nas Olimpíadas de 2016 e 2020

PUBLICIDADE

Da guerra na Síria aos Jogos Olímpicos.

O Netflix estreou o filme "As nadadoras". A película da cineasta Sally El Hosaini narra a história real das irmãs Yusra e Sarah Mardini.

Para a realizadora, a maior preocupação foi conseguir transmitir a realidade...

"Selecionámos muitos refugiados para o filme e tivemos, também, refugiados a trabalhar nos bastidores. Portanto, havia um sentido real de importância no que estávamos a fazer, e lutámos realmente pela maior autenticidade que pudéssemos obter", refere El Hosaini.

Em 2015, Yusra e Sarah Mardini fugiram dos horrores da guerra na Síria, com o primo Nizar, e rumaram à Alemanha.

Tal como milhares de migrantes e refugiados, que todos os anos tentam chegar à União Europeia, os três jovens chegaram à Turquia e embarcaram numa pequena embarcação, com mais 15 pessoas. Iniciaram a travessia do Mar Egeu, rumo à Grécia.

O pequeno barco começou a meter água... As duas irmãs mergulharam no mar, com mais dois passageiros, e os quatro conseguiram puxaram o barco até terra.

Da Grécia, as irmãs seguiram a pé até à Alemanha.

Em Berlim, Yusra continuou a treinar como nadadora profissional e fez parte da equipa de refugiados que participou nas Olimpíadas de 2016, no Rio de Janeiro, no Brasil e em 2020, em Tóquio, no Japão.

Yusra partilha: "Quando fiz o que fiz, quando deixei o meu país ou defini o objetivo de ir às Olimpíadas, nunca pensei que fosse acabar assim, por isso é uma loucura. Estou a tentar absorver tudo isto".

Sarah retornou à Grécia em 2016 para dar assistência a outros refugiados.

A família das duas conseguiu, também, asilo na Alemanha.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Embaixador iraniano na Síria promete retaliação após alegado ataque israelita destruir consulado

Ataque israelita destrói consulado iraniano em Damasco e mata alta patente militar

Pelo menos três mortos, entre os quais duas crianças, na explosão de carro armadilhado na Síria