EventsEventosPodcasts
Loader
Find Us
PUBLICIDADE

Empresa estatal ucraniana de energia declara situação de emergência

Ofensiva russa na Ucrânia
Ofensiva russa na Ucrânia Direitos de autor euronews
Direitos de autor euronews
De  Euronews
Publicado a Últimas notícias
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Defesa Aérea da Ucrânia continua a abater mísseis russos, enquanto a Empresa estatal ucraniana de energia declarou situação de emergência.

PUBLICIDADE

A empresa estatal ucraniana de energia declarou situação de emergência depois de mais de metade dos clientes, em todo o país, terem sido afetados por cortes.

As defesas aéreas ucranianas abateram 60 dos 76 mísseis disparados pela Rússia, na sexta-feira de manhã, segundo o comandante-chefe das Forças Armadas ucranianas. Os ataques foram reportados em Odesa, Kharkiv, Kryvyi Rih, Zaporíjia e Kiev. Dos 40 mísseis que a Rússia disparou contra a capital ucraniana, 37 foram abatidos pela Defesa Aérea.

O Instituto para o Estudo da Guerra dizia que os objetivos do Presidente russo, Vladimir Putin, na Ucrânia não mudaram e que está a recorrer a dois esforços militares simultâneos para prosseguir o seu objetivo final de controlar a Ucrânia e assegurar grandes concessões territoriais. 

São elas, as atuais ofensivas na região de Donetsk, particularmente nos arredores de Bakhmut e na zona de Avdiivka-Donetsk. O referido organismo continua a considerar que Putin deu ordem às tropas russas para concluírem a tomada da região de Donetsk, integralmente, e que os atuais esforços ofensivos russos servem esse objetivo.

Os ataques maciços com mísseis russos contra infraestruturas críticas ucranianas são o segundo esforço militar de Putin para obrigar a Ucrânia a render-se ou a entrar em negociações sobre os termos de Putin. Estes dois esforços militares não estão a forçar a Ucrânia a negociar ou a fazer concessões e a Ucrânia continua no campo de batalha.

O grupo de reflexão dizia que Putin pode estar a criar condições para um terceiro esforço militar, preparando-se para uma nova ofensiva contra a Ucrânia no inverno.

Diversas fontes oficiais ucranianas e bielorrussas, independentes, relataram uma crescente presença militar russa na Bielorrússia desde outubro de 2022. Altos funcionários ucranianos alertam, cada vez mais, para o facto de as forças russas poderão tentar atacar Kiev entre janeiro e março de 2023.

O Instituto para o Estudo da Guerra afirmava que continua a ser extremamente improvável que as forças russas consigam tomar Kiev, mesmo que voltem a atacar a partir da Bielorrússia.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Investida russa concentra-se em Bakhmut

Pressão russa no leste da Ucrânia

Rússia intensifica bombardeamentos na Ucrânia