Governo de Lula será mais paritário mas mulheres continuam em minoria

Access to the comments Comentários
De  euronews
Lula da Silva apresenta mais 16 ministros do futuro governo brasileiro
Lula da Silva apresenta mais 16 ministros do futuro governo brasileiro   -   Direitos de autor  euronews

O presidente eleito Lula da Silva apresentou mais dezasseis novos ministros do futuro governo brasileiro. 

O executivo que toma posse a 1 de janeiro de 2023 será mais paritário do que o governo liderado por Jair Bolsonaro, mas, as mulheres continuam em minoria.

O futuro governo contará também com ministros negros e de origem índigena.

Lula da Silva escolheu Wellington Dias para liderar o ministério do desenvolvimento social. O antigo senador de origem indigena é um dos grandes defensores dos direitos dos povos nativos.

A pasta da Igualdade Racial foi atribuída a Anielle Franco, irmã Marielle Franco, vereadora do Rio de Janeiro assassinada em 2018, que se tornou num símbolo da luta contra o racismo e a violência policial.

Falta ainda definir a pasta de Simone Tebet, a senadora que ficou em terceiro lugar nas presidenciais e que apoiou Lula na segunda volta.

Nísia Trindade será primeira mulher a chefiar o ministério da saúde. Um dos desafios que a antiga presidente da Fundação Fiocruz tem pela frente é travar a trajetória da Covid-19 que terá matado, até agora, 650 mil pessoas no Brasil.

Lula exorta povo brasileiro a derrotar “bolsonarismo”

Na mesma ocasião, Lula da Silva exortou o povo brasileiro a derrotar o “bolsonarismo” que prevalece nas ruas mesmo após a derrota de Bolsonaro nas urnas.

“O que nós temos que ter consciência é que nós derrotamos o Bolsonaro, mas o bolsonarismo está nas ruas desse país, raivosa e sem querer reconhecer a derrota que tiveram. Por tanto, além de governar com eficiência, com competência, nos teremos que derrotar o bolsonarismo nas ruas desse país.", afirmou Lula da Silva, esta quinta-feira, durante a cerimónia de apresentação de 16 futuros ministros.

O vice-presidente eleito e futuro ministro da Indústria, Geraldo Alckmin, denunciou o retrocesso do país nas áreas da educação, da saúde, das infraestruturas e do ambiente.

"Infelizmente nós vimos que houve um desmonte do Estado brasileiro, mais de 14.000 obras paradas, isso não é austeridade, isso é ineficiência de gestão.", disse Geraldo Alckmin.