Combates intensificam-se em Soledar impossibilitando retirada de civis

Volodymyr Kerbut foi a enterrar em Bucha, após ter morrido em combate em Soledar, Ucrânia
Volodymyr Kerbut foi a enterrar em Bucha, após ter morrido em combate em Soledar, Ucrânia Direitos de autor Bela Szandelszky/Copyright 2023 The AP. All rights reserved.
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Mercenários do grupo Wagner estão a tentar tomar a cidade do leste da Ucrânia, para chegarem a Bakhmut.

PUBLICIDADE

Volodymyr Kerbut é mais uma vítima da guerra na Ucrânia. Polícia durante 25 anos, voluntariou-se para combater pelo país após a invasão russa. Aos 46 anos, morreu em Soledar, atualmente um dos palcos mais sangrentos do conflito.

A tomada de Soledar é estratégica para o exército russo. Depois da retirada de Kherson e Kharkiv, o controlo da cidade, situada a poucos quilómetros de Bakhmut, facilitaria a criação de um corredor entre as duas localidades e uma vitória na região de Donetsk.

Mercenários do grupo Wagner reclamaram já o controlo de Soledar. Uma vitória não confirmada pelo Kremlin e sobretudo refutada pela Ucrânia.

Quando comparadas imagens de satélite atuais com as de há uns meses, a destruição causada pelos combates é visível.

MAXAR
Edifícios habitacionais e escola em Soledar, 01 de agosto de 2022MAXAR
MAXAR
Edifícios habitacionais e escola em Soledar, 10 janeiro 2023MAXAR

A escalada de violência no terreno levou o presidente Volodymyr Zelenskyy a prometer, esta quinta-feira, o fornecimento rápido e ininterrupto de munições em Soledar e Bakhmut para travar a ofensiva russa na região.

Mas os duros confrontos no terreno estão a fazer vítimas além dos combatentes. De acordo com o governador de Donetsk, mais de 550 civis, incluindo 15 crianças, permanecem em Soledar, sem que possam ser retirados.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Rússia retira civis de Soledar e envia-os para acampamento temporário

Ucrânia: Cadáveres dos "ocupantes" cobrem área perto de Soledar

Aos 79 anos, Olga despede-se da sua casa destruída por um ataque aéreo russo