EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

Primeira-ministra da Nova Zelândia Jacinda Ardern anuncia a demissão

Jacinda Ardern, primeira-ministra da Nova Zelândia.
Jacinda Ardern, primeira-ministra da Nova Zelândia. Direitos de autor Warren Buckland/New Zealand Herald
Direitos de autor Warren Buckland/New Zealand Herald
De  Euronews
Publicado a Últimas notícias
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

A primeira-ministra da Nova Zelândia anunciou a demissão. Jacinta Adern deve manter-se em funções até 07 de fevereiro.

PUBLICIDADE

A primeira-ministra da Nova Zelândia anunciou a demissão. Jacinda Adern deverá abandonar o cargo até ao início de fevereiro e anunciou a realização de eleições para o próximo dia 14 de Outubro. Ao comunicar esta decisão, mostrou-se emocionada.

A governante anunciou que "não iria procurar uma reeleição e que o seu mandato como primeira-ministra terminará o mais tardar a 7 de fevereiro".

Adern revelou que este tem sido "o ano e meio mais gratificante da sua vida, mas que também tem tido os seus desafios". A primeira-ministra disse também saber o que este trabalho exige e referiu já não ter energia suficiente ‘no depósito’ para lhe fazer justiça.

Sei que já não tenho essa energia a mais no 'depósito' para fazer justiça ao trabalho.
Jacinda Ardern
Primeira-ministra da Nova Zelândia

A liderança da governante neozelandesa impressionou muitos, quer a nível interno, quer a nível global.

Ardern assumiu funções, como chefe do executivo, a 26 de outubro de 2017 e esteve à frente do país durante a pandemia de Covid-19 e ainda durante o pior ataque terrorista ocorrido em solo neozelandês. A líder do governo disse que gostaria de ser recordada como alguém que tentou sempre ser gentil com os outros.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Chris Hipkins toma posse como primeiro-ministro da Nova Zelândia

Ardern diz-se "agradecida" pelos anos passados na chefia do governo

Nova Zelândia abre porta da morte aos pacientes terminais