EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

Ucrânia: Sobreviver à destruição deixada pelas bombas russas

Habitantes de Saltivka lutam pela sobrevivência
Habitantes de Saltivka lutam pela sobrevivência Direitos de autor Euronews
Direitos de autor Euronews
De  Euronews
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Habitantes de Saltivka procuram reconstruir a vida no meio do rasto de destruição deixado pelas bombas russas.

PUBLICIDADE

Olga e a irmã viveram a vida toda em Saltivka. No ano passado o prédio que habitavam foi bombardeado. Partiram para Kharkiv mas vêm visitar, regularmente, os seus familiares. Não sem o coração pesado. Olga perdeu o marido. Ele e um amigo morreram quando foram iam pôr gasolina.

As duas irmãs foram transferidas de uma cidade para outra antes de ficarem em Kharkiv. O objetivo, agora é voltar a casa, o mais rápido possível. 

Enquanto não podem, regressam para visitar o avô que nunca deixou a cidade e aproveitam para falar com os vizinhos.

Svetlana é uma delas. Regressou da Polónia com a mãe para verificar o seu apartamento. Foram buscar alguns pertences, mas não tencionam ficar. 

"Queremos paz, não queremos mais nada. E que todos estejam vivos e que vivam como vivíamos antes. É a única coisa que queremos".
Veronika Semenivna
Voluntária de centro de ajuda humanitária

A reconstrução da cidade está em curso, mas a tarefa é enorme e o futuro incerto. A vida quotidiana é um desafio para aqueles que ficaram para trás. Uma foi transformada num centro humanitário. As mulheres que trabalhavam na cantina, antes da guerra, preparam refeições quentes para centenas de pessoas, todos os dias.

Tanto os voluntários como os beneficiários desta ajuda estão confiantes de que ficarão em Saltivka até ganharem a guerra.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Ucrânia prepara-se para nova ofensiva da Rússia

Combates mais intensos no leste da Ucrânia

Aos poucos, aldeias de Kharkiv e Zaporíjia vão sendo reconstruídas