EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

Netanyahu avança com polémica reforma judicial

Oposição denuncia o fim da independência judicial e da separação de poderes
Oposição denuncia o fim da independência judicial e da separação de poderes Direitos de autor Maya Alleruzzo/AP
Direitos de autor Maya Alleruzzo/AP
De  Euronews
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Alta tensão na Knesset, onde passou em primeira leitura uma reforma que dá ao governo mais poder sobre o sistema judicial em Israel

PUBLICIDADE

O debate entrou pela madrugada dentro, no parlamento israelita, e o desfecho alimenta ainda mais os protestos no país. Por 63 votos contra 47, foi aprovada numa primeira leitura a polémica reforma judicial que o governo de Benjamin Netanyahu pretende avançar.

Estão em causa dois projetos de lei. Um consiste em dar ao governo o controlo do processo de escolha de juízes; outro restringe o alcance do Supremo Tribunal em processos de revisão legislativa.

Este último comporta uma denominada "cláusula de anulação" que, na prática, permite que sejam revertidas decisões do Supremo, caso uma maioria de deputados assim o vote.

Ohad Zwigenberg/AP
Os protestos contra as intenções de Netanyahu multiplicam-seOhad Zwigenberg/AP

A oposição denuncia o fim da independência judicial e da separação de poderes. Muitos deputados gritaram a palavra "vergonha". Alguns foram expulsos da Knesset.

Nas ruas de Telavive e Jerusalém, os protestos para "salvar a democracia" multiplicam-se, contra as intenções de Netanyahu e da sua coligação com partidos ultraortodoxos e de extrema-direita. Surgem muitas críticas à lógica deste primeiro-ministro que, há quase três anos, enfrenta acusações judiciais de corrupção e fraude.

Netanyahu afirma que foram os eleitores que decidiram seguir este caminho nas últimas legislativas de novembro.

Este voto foi o primeiro dos três necessários para que a reforma possa ser formalmente aprovada pelo parlamento.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Nona semana de protestos em Israel

Hezbollah lança mais de 200 foguetes contra Israel após a morte de um comandante

Primeiro-ministro israelita dissolve gabinete de guerra