EventsEventosPodcast
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Mergulho de pérolas no Golfo: dois mil anos de história

Mergulho de pérolas no Golfo: dois mil anos de história
Direitos de autor euronews
Direitos de autor euronews
De  euronews
Partilhe esta notícia
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Desde os tempos antigos, o mar é a fonte de uma das mais preciosas joias do Qatar, as pérolas naturais.

PUBLICIDADE

O mergulho de pérolas é uma das tradições mais antigas da região do Golfo. 

Desde os tempos antigos, as águas do Qatar são uma fonte de riqueza. Mohammed Abdulla al-Sada é mergulhador de pérolas. "As pessoas que viviam aqui nesta terra, desde os tempos antigos, praticaram sempre o mergulho de pérolas. Foi encontrada há cinco ou seis meses uma pérola com mais de 2000 anos. O meu avô era mergulhador de pérolas"

Apanhar pérolas não é uma tarefa fácil. É preciso saber e sorte. "Antes de mais, é preciso saber se é uma ostra velha ou uma ostra bebé. Como podemos sabê-lo? Pelo tamanho e pela espessura da ostra", explicou Mohammed Abdulla al-Sada.

Embora muitos mergulhadores de pérolas usem tanques para ficar mais tempo debaixo de água, Mohammed continua a praticar a arte do mergulho livre. Tal como os seus antepassados, desenvolveu técnicas para ser capaz de suster a respiração durante longos períodos.

Mohammed Abdulla al-Sada não vive do mergulho de pérolas mas continua a praticar essa atividade para manter viva a tradição. “É uma parte de nós, da nossa cultura. Era assim que o nosso avô fazia ganhava o seu pão. Hoje, também podemos ganhar dinheiro com o mergulho. Há muitas razões que me levam a continuar. E eu adoro mergulhar. Sou um mergulhador", acrescentou Mohammed Abdulla al-Sada.

@86diver / Euronews / Screen capture
A tradição do mergulho de pérolas no Qatar@86diver / Euronews / Screen capture

A longa história das pérolas do Golfo

O Museu Nacional do Qatar possui uma exposição sobre a história do mergulho de pérolas na região.

“As primeiras exportações de pérolas eram provenientes do Golfo. As pessoas do Golfo foram as primeiras a descobrir e a exportar as pérolas. E, mais tarde, descobriram que havia pérolas noutros locais. As pérolas do Golfo, especialmente as pérolas de Basra, foram consideradas como o tipo de pérolas mais caro porque têm uma estrutura única e uma forma única, o que faz com que as pérolas arredondadas sejam as mais caras. E isso manteve-se ao longo dos anos, desde há dois mil anos, até hoje", disse Jassim Al Kuwari, guia do Museu Nacional do Qatar.

Os vários usos das pérolas

Além do fabrico de joias, as pérolas serviam também para fins decorativos e eram usados em tecidos.

Usavam-se pérolas para decorar peças de mobiliário. A mãe da pérola que é o forro ou a essência que está no interior da ostra foi utilizada em muitas culturas e em todo o mundo. O tapete Baroda foi um presente do Maharajah indiano de Baroda para os muçulmanos, devia servir de cobertura para a sepultura do Profeta Maomé. Fizeram um tapete inteiro de pérolas e outras pedras preciosas", explicou Jassim Al Kuwari, Guia, Museu Nacional do Qatar.

A indústria das pérolas do Golfo declinou devido ao cultivo de pérolas. "Até à década de 1930, a principal exportação do Qatar eram as pérolas. Mas durante esse período, um japonês chamado Mikimoto Kokichi, desenvolveu a indústria das pérolas cultivadas que levou ao colapso da indústria natural das pérolas do Golfo. Aqui eram recolhidas oito mil ostras das águas, para produzir no máximo 5 a 15 pérolas. Essas pérolas nem sempre tinham bom aspeto e variavam ao nível da forma, do tamanho e da cor. Com a indústria das pérolas cultivadas era possível criar oito mil ostras e ter a forma, a cor e o tamanho desejados, o que baixou o preço da pérola natural do Golfo. E depois disso, a indústria aqui no Golfo morreu lentamente durante as décadas de 1920 e 1930", acrescentou o responsável.

Euronews / Screen capture
Nada bint Khamis Al-Sulaiti, Diretora Criativa da HairaatEuronews / Screen capture

Joias inspiradas na cultura e na história do Qatar

Em Doha, a designer Nada bint Khamis Al-Sulaiti inspira-se na história do país para criar joias. De acordo com a diretora criativa da Hairaat, há clientes que só compram pérolas naturais. "Há um mercado para as pérolas naturais. Há pessoas que compram apenas pérolas naturais, e não apreciam pérolas cultivadas, e temos muitos clientes nesta região que não compram pérolas cultivadas, só naturais.,Mas as pérolas naturais representam apenas 5% do mercado. No entanto, as pérolas naturais ainda estão e vão continuar sempre a estar na moda e sempre com estilo. Nós usamo-las principalmente em jóias de luxo e peças feitas à medida.

As colecções da marca Hairaat, reconhecidas a nível internacional, inspiram-se na história, na cultura e na geografia do Qatar.

"Desde jovem, visitei o país com os meus pais, para ver o deserto, o mar, as ruínas, as casas velhas e as novas. E eu sempre vi beleza. Desde essa altura, quis usar essa beleza de uma forma criativa. E depois apercebi-me que a minha língua é a joalharia, e encontrei um meio para traduzir a beleza que vejo à minha volta. Essa beleza está em todos os detalhes que temos aqui na arte vestível e nas peças de uso diário", contou Nada bint Khamis Al-Sulaiti.

A diretora criativa da Hairaat ambiciona dar a conhecer, a nível internacional, a cultura e a história do Qatar "Tenho muito orgulho na minha origem. Sou uma pessoa internacional. Já vivi na Europa, já vivi no Médio Oriente, já viajei por todo o lado. Mas continuo enraizada aqui. Gosto de aprender com outras culturas, mas não quero esquecer a minha origem e tenho orgulho nela. De forma subconsciente, isso encontra-se na minha obra.

Partilhe esta notícia

Notícias relacionadas

Years of Culture no Qatar celebra cultura da Indonésia

Qatar Open reúne estrelas e nomes promissores do ténis mundial

Qatar 2022 aposta na acessibilidade dos estádios para pessoas com deficiência