EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Emissões de CO2 bateram recordes em 2022

Plataforma de exploração de carvão
Plataforma de exploração de carvão Direitos de autor Henning Kaiser/(c) Copyright 2023, dpa (www.dpa.de). Alle Rechte vorbehalten
Direitos de autor Henning Kaiser/(c) Copyright 2023, dpa (www.dpa.de). Alle Rechte vorbehalten
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Emissões de CO2 bateram recordes em 2022, mas a AIE diz que, ainda assim, ficaram aquém das expectativas. A guerra justifica, em parte, os resultados

PUBLICIDADE

As emissões de carbono atingiram um recorde em 2022, de acordo com a Agência Internacional de Energia. O C02, que é um dos principais motores das alterações climáticas, aumentou 0,9 %

Os países que voltaram ao carvão para produzir eletricidade foram uma das principais causas do aumento, que ocorreu após a invasão russa da Ucrânia ter feito disparar os preços do petróleo e do gás.

A Agência Internacional de Energia, (AIE) diz que o relançamento das viagens aéreas após a flexibilização das restrições pandémicas foi outro fator a influenciar esta subida.

No entanto, segundo a AIE, apesar do recorde, o aumento foi inferior ao esperado. Uma maior utilização de energias renováveis, veículos elétricos e bombas de calor em conjunto ajudou a evitar 550 mega toneladas adicionais de emissões de dióxido de carbono, disse a agência.

Os dados revelam que as comunidades de todo o mundo emitiram mais dióxido de carbono em 2022 do que em qualquer outro ano desde que começaram os registos, em 1900, resultado. Foram 36,8 giga toneladas; o equivalente a 10 mil porta-aviões carregados, segundo a NASA.

O dióxido de carbono é libertado quando combustíveis fósseis tais como petróleo, carvão ou gás natural são queimados para alimentar carros, aviões, casas e fábricas. Quando o gás entra na atmosfera, prende o calor e contribui para o aquecimento do clima.

Os fenómenos climáticos extremos intensificaram-se no ano passado, com as emissões de dióxido de carbono: As secas reduziram a quantidade de água disponível para a energia hidroelétrica, o que aumentou a necessidade de queimar combustíveis fósseis. E as ondas de calor impulsionaram a procura de eletricidade.

O relatório de quinta-feira foi descrito como "**desconcertante"**pelos cientistas climáticos, que advertem que os utilizadores de energia em todo o mundo devem reduzir drasticamente as emissões para retardar as consequências terríveis do aquecimento global.

"Qualquer crescimento das emissões - mesmo 1% - é um fracasso", disse Rob Jackson, professor de ciência do sistema terrestre na Universidade de Stanford e presidente do Global Carbon Project, um grupo internacional. "Não podemos permitir-nos o crescimento. Não nos podemos dar ao luxo de Stasis. É um corte ou um caos para o planeta". Qualquer ano com maiores emissões de carvão é um ano mau para a nossa saúde e para a Terra".

Qualquer crescimento das emissões - mesmo 1% - é um fracasso
Rob Jackson
Professor de Ciência do Sistema Terrestre, da Universidade de Standford

As emissões de dióxido de carbono do carvão cresceram 1,6% no ano passado. Muitas comunidades, principalmente na Ásia, passaram do gás natural para o carvão para evitar os preços elevados do gás natural que foram agravados pela invasão russa da Ucrânia, disse a AIE.

E com o aumento do tráfego aéreo mundial, as emissões de dióxido de carbono resultantes da queima de petróleo cresceram 2,5%, com cerca de metade do aumento resultante do setor da aviação.

As emissões globais aumentaram na maioria dos anos desde 1900 e aceleraram com o tempo, de acordo com dados da AIE. Uma exceção foi o ano pandémico de 2020, em que as viagens quase estagnaram.

Medidas pandémicas rigorosas e um fraco crescimento económico na China também reduziram a produção, ajudando a limitar as emissões globais em geral. E na Europa, disse a AIE, a produção de eletricidade a partir da energia eólica e solar excedeu pela primeira vez a do gás ou da energia nuclear.

"Sem energia limpa, o crescimento das emissões de CO2 teria sido quase três vezes mais elevado", disse Fatih Birol, o diretor executivo da AIE, numa declaração.

"Contudo, ainda vemos as emissões crescerem a partir dos combustíveis fósseis, dificultando os esforços para cumprir as metas climáticas mundiais. As empresas internacionais e nacionais de combustíveis fósseis estão a obter receitas recorde e precisam de assumir a sua quota-parte de responsabilidade, de acordo com as suas promessas públicas de cumprir os objetivos climáticos".

Embora as emissões continuem a crescer a níveis preocupantes, uma inversão que ajudaria a atingir os objetivos climáticos a que as nações se comprometeram continua a ser possível, disse John Sterman, director do Massachusetts Institute of Technology Sloan Sustainability Initiative.

Embora as emissões continuem a crescer a níveis preocupantes, uma inversão que ajudaria a atingir os objetivos climáticos a que as nações se comprometeram continua a ser possível
John Sterman
Diretor do MIT- Sloan Sustainability Initiative

As nações devem subsidiar as energias renováveis, melhorar a eficiência energética, eletrificar a indústria e os transportes, estabelecer um preço elevado para as emissões de carbono, reduzir a desflorestação, plantar árvores e livrar o sistema do carvão, argumentou Sterman.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Aviação mais ecológica com acordo sobre novas regras europeias

Bruxelas faz propostas sobre emissões poluentes de veículos pesados

UE vai reduzir emissões de CO2 em 55% numa década