EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Tropas ucranianas determinadas a manter Bakhmut

Vladyslav, paraquedista ucraniano da 80.ª Brigada de Assalto Aéreo
Vladyslav, paraquedista ucraniano da 80.ª Brigada de Assalto Aéreo Direitos de autor Evgeniy Maloletka/Copyright 2020 The AP. All rights reserved
Direitos de autor Evgeniy Maloletka/Copyright 2020 The AP. All rights reserved
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Bakhmut é um terreno de matança. As forças ucranianas continuam determinadas e o grupo Wagner diz que está perto do centro da cidade.

PUBLICIDADE

As tropas ucranianas continuam determinadas a manter Bakhmut, enquanto o grupo paramilitar russo Wagner diz que os seus combatentes estão perto do centro da cidade e continuam a progressão para oeste.

A oeste de Bakhmut, em Chasiv Yar, o exército ucraniano diz disparar howitzers M777 enquanto os bombardeamentos russos continuam.

Um comandante da 44ª brigada diz: "Quanto à motivação que temos... Estamos a lutar até à vitória, precisamos da vitória, não só da paz".

Mas tanto a vitória como a paz parecem muito distantes para Valentyna depois de uma noite de bombardeamentos.

A idosa, de 82 anos, diz que as condições de vida continuam a ser um desafio.

"Está frio, está frio por dentro". Sem gás, sem energia, sem água. Não resta nada".

O ministério da Defesa do Reino Unido diz que a captura de Bakhmut é um teste ao grupo de mercenários Wagner.

A linha da frente da batalha encontra-se agora no rio Bakhmutka, onde as pontes foram destruídas pelas tropas ucranianas.

O chefe do grupo paramilitar russo, Wagner, disse no sábado que os seus combatentes estavam perto do centro de Bakhmut e um alto comandante ucraniano insistiu que era importante "ganhar tempo" antes de uma próxima contraofensiva.

Os serviços secretos britânicos disseram numa atualização que a linha da frente na luta por Bakhmut, a mais longa e sangrenta batalha desde a invasão de Moscovo há um ano, tinha mudado - mas qualquer novo avanço russo na cidade devastada poderia ser "altamente desafiante".

Alguns peritos militares questionaram o sentido da luta contínua por Bakhmut, mas os oficiais ucranianos dizem que a queda da cidade poderia levar a mais avanços russos no leste.

Num vídeo divulgado no sábado, Yevgeny Prigozhin, chefe do grupo mercenário russo, disse que as suas forças estavam próximas do centro administrativo de Bakhmut.

O Wagner tem liderado ofensivas contra cidades do leste da Ucrânia, incluindo Bakhmut, com pesadas perdas de ambos os lados.

No início desta semana, o líder do Wagner disse que os seus combatentes tinham capturado a parte oriental de Bakhmut.

Prigozhin, um aliado de Vladimir Putin, tem estado enredado numa luta de poder com o Ministério da Defesa. Já reivindicou várias vezes vitórias no campo de batalha à frente do exército russo e tem criticado as altas patentes russas, acusando os militares de não partilharem munições com as suas forças.

O comandante das forças terrestres da Ucrânia, Oleksandr Syrsky, disse também no sábado que a luta por Bakhmut ajudou a ganhar tempo na preparação para uma futura contraofensiva.

"É necessário ganhar tempo para construir reservas e lançar uma contraofensiva, que não está muito longe", afirmou.

Entretanto, o exército russo continuou a bombardear a cidade ucraniana de Kherson, tendo matado no sábado três pessoas e ferido duas.

PUBLICIDADE

Kherson é a capital de uma das quatro regiões - juntamente com Donetsk, Luhansk e Zaporíjia - que a Rússia afirma ter anexado mas não controla totalmente.

Apesar da retirada da Rússia da cidade de Kherson, no final do ano passado, esta tem sido regularmente esmagada pelas tropas de Moscovo.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Zelenskyy saúda Plano de fornecimento de munições da UE a Kiev

Grandes perdas na batalha por Bakmut

Bakhmut: A batalha mais longa e sangrenta da guerra na Ucrânia