Aumenta número de vítimas de ataques russos na Ucrânia

Duplo ataque russo atingiu habitações em Zaporíjia, Ucrânia
Duplo ataque russo atingiu habitações em Zaporíjia, Ucrânia Direitos de autor Kateryna Klochko/Copyright 2023 The AP. All rights reserved.
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Pelo menos nove pessoas morreram em Kiev e Zaporíjia, após bombardeamentos de quarta-feira.

PUBLICIDADE

Pelo menos nove pessoas morreram na sequência dos mísseis russos que esta quarta-feira atingiram a Ucrânia.

Na região de Kiev, o número de vítmas dos bombardeamentos a uma escola e duas residências de estudantes subiu para oito. Em Zaporíjia, um duplo ataque a dois edifícios residenciais matou pelo menos uma pessoa e deixou mais de 30 feridos.

Da Agência Internacional de Energia Atómica chega ainda outro alerta: a central nuclear da cidade, ocupada a 09 de março pelo exército russo, encontra-se em “estado precário”, com a “última linha elétrica de emergência” danificada desde o início do mês.

Já em Bakhmut, dizem especialistas pró-ucranaianos, a ofensiva russa parece estar a abrandar, após meses de intensos combates e bombardeamentos.

A cidade, que nos últimos tempos assumiu relevância estratégica nas intenções expansionistas de Moscovo, foi escolhida pelo presidente Volodymyr Zelenskyy para uma visita surpresa às tropas na linha da frente com direito a entrega de medalhas aos soldados.

A região tem sido uma das mais afetadas pelo conflito, com muitos civis a depender de ajuda humanitária para sobreviver. Em resposta às solicitações que se acentuam sobretudo perto da linha da frente, a Cruz Vermelha conseguiu fazer chegar, esta quarta-feira, bens de primeira necessidade a duas localidades perto de Bakhmut.

Também o Fundo Monetário Internacional (FMI) se comprometeu a apoiar à Ucrânia, através do empréstimo de 15,6 mil milhões de dólares. O pacote representa uma estreia para o FMI, que, desta forma, pela primeira vez na história da instituição, vai financiar um país em guerra.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Secretário-geral da NATO chama a China a ouvir a Ucrânia sobre plano de paz

UE: acordo para plano conjunto de compra de munições para a Ucrânia

Soldados ucranianos na linha da frente: quando não há vida além da guerra