EventsEventosPodcasts
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Secretário-geral da NATO chama a China a ouvir a Ucrânia sobre plano de paz

Secretário-geral da NATO, Jens Stoltenberg, em conferência de imprensa
Secretário-geral da NATO, Jens Stoltenberg, em conferência de imprensa Direitos de autor Virginia Mayo/Copyright 2023 The AP. All rights reserved
Direitos de autor Virginia Mayo/Copyright 2023 The AP. All rights reserved
De  Euronews com AFP
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Pequim apresentou um plano de paz para a guerra na Ucrânia

PUBLICIDADE

O secretário-geral da NATO saúda iniciativas para uma "paz justa e sustentável", mas entende que a China deve ter em conta a Ucrânia em qualquer abordagem para o fim da guerra com a Rússia.

Jens Stoltenberg manifestou-se no segundo dia do encontro dos presidentes da China, Xi Jinping, e da Rússia, Vladimir Putin, esta terça-feira em Moscovo.

O líder da Aliança Atlântica ressalvou que Pequim falhou em condenar a invasão russa e, em conferência de imprensa, disse que a Ucrânia deve ser ouvida sobre um plano de paz.

"Cabe à Ucrânia decidir quais são as condições aceitáveis para qualquer solução pacífica", disse Stoltenberg, acrescentando: "aproposta de paz da China inclui alguns aspetos positivos e elementos que apoio.Por exemplo, a importância da segurança nuclear, da proteção de civis e, por último, sublinha a importância da soberania, integridade territorial e independência. Está claro que qualquer solução de paz para a Ucrânia se deve basear nestes princípios."

Esta terça-feira, Putin disse ao homólogo chinês que estar aberto a discutir um documento de posição de 12 pontos apresentado por Pequim.

Em outra frente, a NATO disse não haver provas de que a China esteja a entregar armas letais à Rússia.

Mas Stoltenberg deixou alertas a Pequim sobre o eventual fornecimento.Também insistiu que os dois países estão cada vez mais próximos.

"A reunião de Moscovo faz parte do padrão que vimos nos últimos anos, em que a China e a Rússia se estão a aproximar cada vez mais. É preciso lembrar que algumas semanas antes da invasão, em fevereiro do ano passado, os presidentes Xi e Putin reuniram-se em Pequimonde assinaram uma declaração conjunta a prometer um ao outro uma parceria sem limites."

O secretário-geral da NATO apresentou, esta terça-feira, o Relatório Anual de 2022. Sublinhou que os gastos com defesa aumentaram no ano passado 2,2%, em termos reais.

Jens Stoltenberg confirmou ainda que o processo de adesão da Finlândia estará concluído antes da cimeira da NATO em julho, mas a Suécia deverá, provavelmente, ter de esperar até depois das eleições na Turquia.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Aumenta número de vítimas de ataques russos na Ucrânia

Itália: confrontos na Câmara dos Deputados durante votação polémica

Líder da coligação mais votada nas legislativas na Bulgária anuncia que não será primeiro-ministro