Amnistia Internacional denuncia "hipocrisia" do Ocidente

Mahamed Yusef Niazi, refugiado afegão, tenta alcançar o Canadá
Mahamed Yusef Niazi, refugiado afegão, tenta alcançar o Canadá Direitos de autor Ryan Remiorz/AP
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Portugal é apontado no aumento da violência policial e exploração de migrantes

PUBLICIDADE

Os países ocidentais são "hipócritas" - é com estas palavras que a Amnistia Internacional chama a atenção para a desigualdade de respostas a crises humanitárias. No relatório anual, a organização realça, por exemplo, o tratamento diferenciado que têm tido os refugiados da guerra na Ucrânia.

Philip Luther, membro da Amnistia, salienta que "aqueles que fogem da guerra e repressão na Síria e Afeganistão não tiveram o mesmo tratamento. Os Estados Unidos, que são tão críticos da agressão russa, também acolheram dezenas de milhares de ucranianos. Mas submetem os requerentes de asilo do Haiti a detenções arbitrárias, a tratamentos humilhantes que configuram uma tortura assente na raça".

Um peso, duas medidas, resume a Amnistia Internacional, que contrapõe o conjunto de ações concertadas contra a Rússia à passividade geral no que respeita a violações de direitos humanos noutros países.

"Os Estados europeus, e outros, têm critérios duplos. Por um lado, condenam a Rússia, por outro são cúmplices dos aliados em violações graves que ocorrem na Arábia Saudita, Egito, Israel, entre outros. No ano passado, a Rússia utilizou o poder de veto para paralisar o Conselho de Segurança da ONU, o que não pode continuar a acontecer. É necessário dar mais voz a países que são habitualmente ignorados, sobretudo no hemisfério sul."

O aumento da violência policial é outro dos fatores destacados no relatório, em países como Portugal, por exemplo, onde também se evidenciou o agravamento da crise da habitação e a exploração de migrantes.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Benjamin Netanyahu apresenta plano de gestão de Gaza para um pós-guerra

Programa Alimentar Mundial suspende distribuição da ajuda alimentar no norte de Gaza

Estados Unidos vetam pela terceira vez cessar-fogo imediato em Gaza