EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Imagens da decapitação de um soldado ucraniano chocam o mundo

Volodymyr Zelenskyy, presidente da Ucrânia
Volodymyr Zelenskyy, presidente da Ucrânia Direitos de autor Captura de AFP
Direitos de autor Captura de AFP
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Um vídeo que curcula na internet com um soldado russo a decapitar um soldado ucraniano está a chocar o mundo. Zelenskyy acusa os "monstros" russos

PUBLICIDADE

A missão de direitos humanos da ONU na Ucrânia disse estar "horrorizada" com as imagens de um vídeo onde alegadamente um soldado russo está a decapitar um prisioneiro ucraniano .

Um porta-voz da União Europeia revela que não existem informações "sobre a veracidade" das imagens, mas assegura que Bruxelas responsabilizará os criminosos de guerra na Ucrânia.

O presidente ucraniano não tem dúvidas e apela a uma ação internacional contra os "monstros" russos.

"Há algo que ninguém no mundo pode ignorar: a facilidade com que estas bestas matam. Este vídeo... a execução de um cativo ucraniano... o mundo tem de o ver. Este é um vídeo da Rússia tal como ela é. (...)", disse Volodymyr Zelenskyy.

O presidente da Ucrânia diz ainda que não é a primeira vez que os russos agem assim referindo as atocidades de Bucha: "Isto não é um acidente (...) Já aconteceu antes. Foi assim em Bucha. Milhares de vezes"(...) "Sentenças de prisão para os assassinos, um tribunal para o Estado do mal", acrescentou.

Dmytro Kuleba, o chefe da diplomacia da Ucrânia, escreveu no Twitter: "Um vídeo horrível das tropas russas a descapitar um prisioneiro de guerra ucraniano está a circular online. É absurdo que a Rússia, que é pior do que o ISIS, esteja a presidir ao CSNU (Conselho de Segurança das Nações Unidas). Os terroristas russos devem ser expulsos da Ucrânia e da ONU e ser responsabilizados pelos seus crimes".

O vídeo tem cerca de um minuto e quarenta segundos e está a circular desde terça-feira. Nele, um homem camuflado, com o rosto mascarado, corta o pescoço de outro homem em uniforme que se debate no chão, gritando "isso dói".

Após alguns segundos, os gritos param e um homem atrás da câmara pode ser ouvido exortando o carrasco em russo a "cortar a cabeça" da vítima. Este último termina a sua decapitação com uma faca, e mostra a cabeça cortada à câmara.

"É preciso colocá-la no saco e enviá-la ao comandante", diz uma voz em russo. O colete da vítima com o tridente ucraniano e um crânio e ossos cruzados é também mostrado na câmara.

 O Kremlin pediu a verificação da "autenticidade", reconhecendo que se trata de "imagens horríveis".

Moscovo não reagiu às acusações ucranianas. Os oficiais russos negam geralmente qualquer envolvimento de soldados russos em crimes de guerra, e acusam a Ucrânia de encenar os acontecimentos.

Desde o início da invasão russa da Ucrânia, em fevereiro de 2022, Kiev e Moscovo acusam-se mutuamente de abuso de prisioneiros, o que constitue crime de guerra.

No início de março, um vídeo mostrando a alegada execução de um prisioneiro de guerra ucraniano por soldados russos causou uma onda de choque na Ucrânia.

Em novembro, o Kremlin ficou indignado com dois vídeos mostrando a alegada execução de uma dúzia de soldados russos que tinham acabado de se render às forças ucranianas.

No final de março, a ONU acusou as forças ucranianas e russas de terem cometido execuções sumárias de prisioneiros de guerra durante a invasão.

A Rússia também nega, apesar das provas corroborantes, as execuções sumárias de civis, particularmente em Bucha, perto de Kiev, há um ano.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Nova troca de prisioneiros entre Rússia e Ucrânia

Soldados ucranianos recebem tratamento para o stress pós-traumático

Rússia pode rever águas territoriais no Báltico