Xi Jinping diz que abertura da China trará oportunidades para o Brasil

Xi Jinping recebeu Lula da Silva no Grande Palácio do Povo
Xi Jinping recebeu Lula da Silva no Grande Palácio do Povo Direitos de autor Ken Ishii/AP
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Presidente chinês reuniu-se como o homólogo brasileiro em Pequim

PUBLICIDADE

De visita a Pequim, Lula da Silva foi recebido, esta sexta-feira, pelo presidente chinês, com pompa e circunstância, no Grande Palácio do Povo.

O presidente do Brasil foi ao encontro de Xi Jinping à procura de reforçar os laços diplomáticos e económicos, desgastados durante o governo de Jair Bolsonaro.

O encontro durou 50 minutos.

Xi Jinping disse que a China e o Brasil "são dois grandes países em desenvolvimento e dois importantes mercados emergentes."

Acrescentou que se trata de "uma relação que beneficiará ambos" e que "a abertura da China trará oportunidades para todos."

Juntos, os dois líderes assinaram, ainda, vários acordos em áreas estratégicas para ambos: comércio, tecnologia, desenvolvimento, transição energética.

Esta sexta-feira o presidente brasileiro também se reuniu com o presidente da Assembleia Popular Nacional da China, Zhao Leji.

Lula disse que querer trabalhar com Pequim para "equilibrar a geopolítica mundial" e "ampliar as trocas comerciais."

Depois do encontro depositou uma coroa de flores no monumento aos Heróis do Povo na Praça Tiananmen.

Na véspera criticou o dólar como moeda global e o Fundo Monetário Internacional durante a tomada de posse de Dilma Rousseff como presidente do banco do grupo de economias emergentes BRICS (Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul).

Depois da China, Lula segue viagem com uma paragem nos Emirados Árabes Unidos.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

UE quer renovar parceria com a América Latina na cimeira de julho

EUA rejeitam críticas de Lula sobre guerra na Ucrânia

Cooperação Rússia-China para "salvaguardar a justiça internacional”