A Marcha dos Vivos para dizer "nunca mais" e homenagear as vítimas do Holocausto

Marcha dos Vivos, Auschwitz-Birkenau
Marcha dos Vivos, Auschwitz-Birkenau Direitos de autor Michal Dyjuk/Copyright 2023 The AP. All rights reserved
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

35ª Marcha dos Vivos para homenagear as vítimas do Holocausto e dizer "nunca mais" realizou-se em Auschwitz-Birkenau, o maior complexo de campos de concentração e extermínio nazi alemão da Segunda Guerra Mundial.

PUBLICIDADE

Este ano, realizou-se a 35ª "Marcha dos Vivos", a marcha anual dos sobreviventes do Holocausto. Vêm de todo o mundo e trazem familiares e amigos, para que não se esqueçam as atrocidades da guerra, os horrores do ódio e, acima de tudo, para dizer "nunca mais".

"Sou um sobrevivente do lager 8, estive aqui durante 2 anos e 10 meses. Fomos os primeiros judeus a chegar a Auschwitz. O meu número, no meu braço, é 4172. A minha família, quase 105 pessoas pereceram. Eu sou o único sobrevivente. Estou aqui agora pela 20ª vez. Venho aqui porque estou a tentar trazer pessoas até este lugar. Eu sou um sobrevivente. Não sou uma pessoa muito espiritual, mas sou um tipo esperançoso. Lembro-me e falo com todos os jovens que consigo encontrar e quero que vejam, quero que compreendam.O) Holocausto é o maior, o acontecimento mais horrendo, vai além de qualquer descrição," explica o sobrevivente de Auschwitz, David Schaecter.

A marcha acontece de Auschwitz a Birkenau, o maior complexo de campos de concentração e extermínio nazi alemão da Segunda Guerra Mundial.

Embora o número de sobreviventes do Holocausto seja menor ano após ano, os seus descendentes assumem o seu papel na memória do mundo das tragédias que aqui aconteceram.

"É importante manter o legado do Holocausto, vir com alguém que esteve em Auschwitz durante mais de 2 anos e meio, e ter esta experiência com eles. Tenho 3 filhos maravilhosos que estiveram aqui com o meu pai, sobrevivente, e eles compreendem o seu legado, compreendem de onde vieram e o seu avô. E a minha mulher esteve aqui com ele. Por isso, a minha família compreende a importância de manter o legado. Se não continuarem a passar a história, os horrores deste lugar, vai acontecer de novo", adianta Neal Schaecter, filho de David Schaecter, sobrevivente de Auschwitz.

Carolina Krager participou na Marcha com os pais, sobreviventes do Holocausto. Agora juntou-se à filha para dar continuidade à mensagem dos sobrevivente.

"Os meus pais foram sobreviventes. Este é o casaco da minha mãe com o número dela (explica apontando para o casaco que a filha tem vestido), e este é o casaco com o número do meu pai. Hoje é a primeira vez que o visto. A minha mãe marchou sempre de mãos dadas com o meu pai. O meu pai participou na Marcha desde 2016 e o ano passado foi o seu último ano, faleceu em Setembro. Era muito importante para o meu pai passar a mensagem, assegurar que o mundo nunca esqueça, nunca perdoe, e educar toda a gente. Eu continuo a tradição de marchar em sua memória, e em memória da minha mãe, e em honra deles. Mostrar que faremos com que o mundo nunca esqueça," revela Carolina Krager, filha do sobrevivente do Holocausto Edward Mosberg.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Marcha dos Vivos lembra vítimas do Holocausto

Israel celebra Dia da Lembrança do Holocausto

Marcha dos Vivos recorda vítimas do Holocausto na Hungria