Israel e grupos armados palestinianos acordam cessar-fogo

Fogo e fumo  no norte da faixa de Gaza, após taque israelita, esta terça-feira
Fogo e fumo no norte da faixa de Gaza, após taque israelita, esta terça-feira Direitos de autor Fatima Shbair/Copyright 2023, The AP. All rights reserved
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Trégua começou esta madrugada, após escalada no conflito durante a noite.

PUBLICIDADE

Israel e grupos armados da faixa de Gaza acordaram um cessar-fogo. A trégua, mediada pelo Egito, o Qatar e responsáveis das Nações Unidas, chegou esta quarta-feira, pela madrugada, após uma noite de troca de fogo entre as duas partes.

Israel retaliou com mísseis, três foguetes disparados do lado palestiniano.

O Hamas e a Jihad islâmica confirmaram que o ataque se tratou de uma "resposta inicial" à morte de Khader Adnan, jihadista veterano que as autoridades israelitas dizem ter encontrado inconsciente na cela da prisão onde permanecia em greve de fome há quase três meses.

A troca de fogo acabou por se prolongar pela madrugada de quarta-feira. Do sul de Israel chegam imagens de danos num carro e numa casa. Três pessoas ficaram feridas. O impacto dos ataques israelitas na faixa de Gaza é ainda desconhecido.

O primeiro-ministro palestiniano, Mohammad Shtayyeh, descreveu a morte de Adnan como um "assassinato deliberado", acusando Israel de ter negado assistência médica ao prisioneiro.

O palestiniano estava detido pela décima vez. As greves de fome prolongadas tornaram-nos ao longo da última década num símbolo da luta contra a ocupação israelita,

Apesar de a sua viúva ter apelado ao fim da violência, perto de Ramallah, na Cisjordânia foram registados vários confrontos entre palestinianos e as autoridades israelitas.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Aumentam mortes do conflito no Médio Oriente. Civis entre as vítimas

Marcha para acelerar a construção de colonatos na Cisjordânia

Delegação israelita cancela viagem a Washington após abstenção dos EUA na ONU. "Estamos perplexos"