EventsEventosPodcast
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

O que está a fazer o transporte aéreo na luta contra as alterações climáticas?

O setor da aviação é responsável por entre 3% a 6% das emissões de CO2
O setor da aviação é responsável por entre 3% a 6% das emissões de CO2 Direitos de autor Michael Probst/Copyright 2018 The AP. All rights reserved.
Direitos de autor Michael Probst/Copyright 2018 The AP. All rights reserved.
De  euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

O tráfego aéreo voltou a aumentar, uma tendência que parece contrariar os objetivos de redução das emissões de gases com efeito de estufa. Segundo diferentes fontes, o setor da aviação é responsável por entre 3% a 6% das emissões de CO2.

PUBLICIDADE

Para 2023, a IATA, Associação Internacional de Transporte Aéreo, prevê 4,35 mil milhões de passageiros, próximo do nível recorde atingido antes da pandemia. Em 20 anos, o número de passageiros duplicou.

ONGs e associações ambientais denunciam a falta de ambição política para reduzir o tráfego aéreo. Defendem o aumento do investimento na ferrovia, a introdução de quotas de voo por passageiro e o aumento da tributação, em particular para desencorajar os viajantes mais ativos.

"A ideia é que quanto mais uma pessoa voa, maior o imposto, então o ónus recairia sobre quem mais voa e não sobre quem vai visitar a família nas Antilhas de três em três anos, por exemplo. Algumas pessoas voam com muita frequência. Em França, um quadro superior voa 17 vezes mais do que um operário, então há uma desigualdade nas viagens aéreas", realça Alexis Chaillous, do Greenpeace France. 

Consciente da sua pegada de carbono, o setor dos transportes aéreos iniciou a transição para uma economia de baixo carbono. Mas o caminho promete ser longo. As principais alavancas incluem a otimização do desempenho do motor e uma melhor gestão do tráfego, bem como o uso de combustível de fontes não fósseis, como biomassa, algas e resíduos agrícolas ou alimentares. E a longo prazo, até 2035-2040, aeronaves elétricas ou movidas a hidrogénio.

"Combinando estas quatro alavancas, chegaremos praticamente à neutralidade carbónica até 2050 para a indústria da aviação e companhias aéreas. Haverá sempre uma parcela de emissões, que certamente teremos que conseguir erradicar, graças a tecnologias conhecidas como "captura direta de ar", que consiste basicamente em extrair o carbono diretamente do ar usando enormes secadores de cabelo, se quisermos uma imagem que todos percebam, para extrair o carbono e, porque não, reciclá-lo em combustível para a indústria aeronáutica", diz Jérome Bouchard, especialista em aeronáutica da Oliver Wyman.

Enquanto os defensores do clima aplaudem os esforços da indústria do transporte aéreo para descarbonizar, apontam que a revolução tecnológica está a demorar demasiado tempo para lidar com a emergência climática.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Riscos da geoengenharia para gerir clima preocupam Comissão Europeia

Novo incidente de turbulência fere 12 pessoas em voo com destino à Irlanda

Greve na Lufthansa afeta 100 mil passageiros