EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Sequestro no Mediterrâneo: Navio turco já está em segurança no porto de Nápoles

Forças especiais italianas a bordo de um navio turco assaltado por clandestinos
Forças especiais italianas a bordo de um navio turco assaltado por clandestinos Direitos de autor Screenshot AP
Direitos de autor Screenshot AP
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

"Tutto è finito bene". Foi com estas palavras que o ministro da Defesa de Itália, Guido Crosetto, anunciou o fim do sequestro de um navio turco, libertado pelas forças especiais da marinha italiana.

PUBLICIDADE

As forças especiais italianas recuperaram o controlo de um navio turco que tinha sido atacado por clandestinos armados ao largo da cidade meridional de Nápoles, na sexta-feira.

A fonte governamental confirmou à AFP, ao fim da tarde, que os militares italianos tinham recuperado o controlo da situação e levado a tripulação para um local seguro.

O navio encontrava-se no porto de Nápoles na sexta-feira à noite, de acordo com os dados em tempo real do sítio Web marinetraffic.com

Il Mattino, o jornal diário da região da Campânia, da qual Nápoles é a capital, confirmou que o cargueiro tinha sido levado para o cais da cidade partenopeana.

Investigadores e equipas de intervenção da polícia nacional e da polícia aduaneira embarcaram no navio para efetuar as primeiras investigações e procurar eventuais clandestinos. Foi aberto um inquérito por "rapto" e "tentativa de sequestro".

O ministro da Defesa de Itália, Guido Crosetto, tinha dito à televisão pública, RAI, que as forças italianas estavam a garantir a segurança dos 22 membros da tripulação a bordo do "Galeta Seaways", enquanto reuniam os clandestinos.

"As forças especiais desceram para o navio turco a partir de dois helicópteros numa operação dramática para libertar a tripulação retida por cerca de 15 clandestinos, dois ou três armados com objetos cortantes", disse o ministro.

Segundo o governante italiano, os clandestinos tentaram tomar o controlo do cargueiro, que estava a caminho de França, mas o capitão conseguiu fazer soar o alarme. Barcos de patrulha da alfândega italiana bloquearam o navio turco, enquanto as forças especiais subiam a bordo.

As autoridades italianas foram avisadas pela Turquia e enviaram as forças especiais da Marinha, transportadas por helicóptero.

Segundo uma fonte governamental contactada pela AFP, os atacantes poderão ser migrantes, mas a investigação terá de determinar onde e quando entraram a bordo do cargueiro.

Segundo o diário La Repubblica, os 22 membros da tripulação e três "passageiros" foram resgatados, enquanto os 15 assaltantes foram "neutralizados". As autoridades não comunicaram a existência de feridos.

A rota turca

O cargueiro, que tem quase 200 metros de comprimento e cerca de 20 metros de largura, navegava com bandeira turca e transportava camiões. 

De acordo com os sites especializados, partiu de Topcular, na Turquia, a 7 de junho, com destino a Sète, no sul de França, onde deveria chegar no sábado.

Contactada pela AFP, a Préfecture Maritime de la Méditerranée confirmou que o barco transportava mercadorias para o porto de Sète.

Dois helicópteros da marinha italiana, bem como meios da guarda costeira e da polícia aduaneira, estiveram envolvidos na operação.

Enquanto dezenas de milhares de migrantes tentam todos os anos chegar à Europa através de Itália, atravessando o Mediterrâneo a partir do Norte de África, são raras as chegadas às costas da península vindas da Turquia.

No entanto, no final de fevereiro, 94 pessoas morreram a algumas dezenas de metros da costa italiana, perto de Cutro, na Calábria, no sul do país, quando o seu barco, que tinha partido da Turquia, se afundou.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Itália reforça medidas de segurança no fim de semana de Páscoa

Caça ao homem em França depois de emboscada a carrinha celular que matou dois guardas prisionais

Violência policial aumenta em Amsterdão durante protestos pró-Palestina