EventsEventosPodcasts
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Resgate em Kherson feito debaixo de fogo russo

Equipas de emergência numa luta contra o tempo em Kherson
Equipas de emergência numa luta contra o tempo em Kherson Direitos de autor AP Photo
Direitos de autor AP Photo
De  Teresa BizarroHuseyin Koyuncu
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

A dimensão da catástrofe desencadeado com a rutura da barragem de Nova Kakhovka cresce à medida que os dias passam e o presidente ucraniano lançou uma campanha de angariação de fundos para apoiar as equipas de resgate em Kherson

PUBLICIDADE

Mais de uma semana após a destruição da barragem de Nova Kakhovka, no sul da Ucrânia, a cidade de Kherson permanece parcialmente inundada. Há ainda mais de 40 bairros submersos e quase duas mil famílias desalojadas.

À medida que as águas baixam, a escala do desastre torna-se cada vez mais evidente.

"A escala do desastre é enorme, realmente enorme. A escala absoluta disso está além da nossa capacidade de caracterizar, descrever e falar sobre o agora. A água ainda não baixou em todas as aldeias. Não saberemos a extensão total do desastre até que ele tenha diminuído," diz à Euronews Yuriy Faryna, do Centro ucraniano de Emergência.

Equipas de resgate trabalham lado a lado com voluntários numa assumida corrida contra o tempo. A campanha de recolha de fundos lançada pelo presidente ucraniano tem agora um espaço dedicado à ajuda dos socorristas.

"A United 24 lançou na quinta-feira uma campanha em grande escala para comprarmos o equipamento mais necessário para localização e assistência em operações de busca e salvamento em todas as áreas inundadas da região de Kherson," explica Faryna. Falta material muito diverso: "bombas e mangueiras para bombear água, coletes, cordas, ganchos e equipamento de mergulho".

Mais do que os perigos decorrentes das inundações, as equipas de emergência dizem que o principal obstáculo que enfrentam é a artilharia russa.

As operações de resgate têm sido intercaladas com explosões e bombardeamentos - até a entrevista à Euronews teve de ser adiada por causa de um ataque.

Yuriy Faryna diz que a maior dificuldade no terreno localiza-se na margem esquerda do Rio Dnipro, onde estão as posições de tiro. Este socorrista acusa a Rússia de "bombardear civis que estão em fuga e as unidades de resgate".

Kiev e Moscovo continuam a trocar acusações sobre a responsabilidade por este desastre humanitário. A ruptura da barragem de Nova Kakhovka resultou na morte de pelo menos 27 pessoas.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Motorista de táxi morto pelas forças russas em Kherson, 12 feridos em Mykolaiv

Rússia anuncia controlo total de Avdiivka

Guerra na Ucrânia: novos ataques russos fazem pelo menos 20 feridos em 24 horas