EventsEventos
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Manifestações em Israel para um cessar-fogo em Gaza e renúncia do primeiro-ministro

As pessoas protestam contra o governo do primeiro-ministro israelita Benjamin Netanyahu e pedem a libertação dos reféns detidos em Gaza, Tel Aviv, Israel, 4 de maio de 2024.
As pessoas protestam contra o governo do primeiro-ministro israelita Benjamin Netanyahu e pedem a libertação dos reféns detidos em Gaza, Tel Aviv, Israel, 4 de maio de 2024. Direitos de autor Ariel Schalit/Copyright 2024 The AP. All rights reserved.
Direitos de autor Ariel Schalit/Copyright 2024 The AP. All rights reserved.
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

“Esperamos que o mundo nos ouça e saiba que o povo de Israel não é o governo de Israel”, disse um manifestante.

PUBLICIDADE

Os israelitas protestaram no sábado à noite, pedindo um cessar-fogo e a demissão do primeiro-ministro, Benjamin Netanyahu.

Dezenas de milhares saíram às ruas em Telavive para exigir que o governo chegasse a um acordo com o Hamas para garantir a libertação de reféns israelitas em Gaza.

Também pediram novas eleições, acusando Netanyahu de prolongar o conflito para se manter no poder.

O governo de Netanyahu — visto como o mais de direita da história de Israel — insiste que não vai travar a guerra até que o grupo militante palestiniano seja “aniquilado”.

“Esperamos que o mundo nos ouça e saiba que o povo de Israel não é o governo de Israel”, disse um manifestante Shulamit Ron. “Não concordamos com a política, não concordamos com a forma como se comportam, e queremos ter um futuro diferente”.

O protesto ocorre no momento em que uma delegação do Hamas se reuniu com mediadores no Cairo, no sábado.

Os meios de comunicação estatais egípcios relataram “progressos notáveis” nas negociações, embora uma autoridade israelita tenha minimizado as perspetivas de um fim completo da guerra em Gaza.

A principal fonte de controvérsia parece ser se o cessar-fogo seria permanente ou temporário.

O Hamas insistiu repetidamente que qualquer acordo que liberte os reféns deve incluir a retirada das forças israelitas de Gaza e o fim dos combates.

A pressão sobre o gabinete de guerra de Netanyahu tem vindo a aumentar para que chegue a um acordo que ponha fim à guerra de quase sete meses.

“O mais importante é trazer os reféns de volta e conseguir ajuda humanitária para Gaza”, afirmou Roi Tzohar, manifestando-se em Telavive.

“O povo israelita é refém do governo de direita e o povo de Gaza é refém do Hamas”.

Mediadores egípcios e norte-americanos deram conta de sinais de compromisso nos últimos dias. Mas as hipóteses de um acordo de cessar-fogo continuam enredadas com a questão-chave de saber se Israel aceitará o fim da guerra sem atingir o seu objetivo declarado de destruir o Hamas.

Alguns observadores questionaram se o governo de Israel pode atingir esse objetivo em primeiro lugar.

O canal estatal de televisão Al-Qahera News, do Egito, disse no sábado que se chegou a um consenso sobre muitos pontos disputados, mas não deu detalhes.

Um alto funcionário israelita, falando sob condição de anonimato, minimizou as perspetivas de um cessar-fogo.

“Sob nenhuma circunstância concordamos em acabar com a guerra como parte de um acordo para libertar os nossos sequestrados”, disseram à imprensa local.

O responsável disse que Israel estava comprometido com a invasão de Rafah, onde cerca de 1,4 milhões de pessoas fugiram dos combates no centro e norte de Gaza.

PUBLICIDADE

Foram expressos receios de que Israel possa tentar empurrar a população palestiniana em Rafah através da fronteira egípcia - algo que as autoridades israelitas negam.

A guerra já matou mais de 34 000 palestinianos, segundo as autoridades locais de saúde de Gaza.

A destruição generalizada mergulhou o território numa crise humanitária sem precedentes.

O conflito eclodiu a 7 de Outubro, quando o Hamas atacou o sul de Israel, sequestrando cerca de 250 pessoas e matando cerca de 1.200, a maioria civis.

Israel diz que os militantes palestinianos mantêm ainda cerca de 100 reféns e os restos mortais de mais de 30 outros.

PUBLICIDADE
Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Conheça os judeus europeus que se opõem à guerra de Israel contra o Hamas

Ministro israelita das Comunicações ordena a devolução do equipamento de vídeo apreendido à AP

Fome em Gaza: Palestinianos aguardam desesperadamente pelo resultado das conversações no Cairo