EventsEventosPodcasts
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Paris impõe estado de emergência na Nova Caledónia. Habitantes temem pela escassez de alimentos

Carros incendiados em Noumeia, Nova Caledónia
Carros incendiados em Noumeia, Nova Caledónia Direitos de autor Nicolas Job/Copyright 2024 The AP. All rights reserved
Direitos de autor Nicolas Job/Copyright 2024 The AP. All rights reserved
De  Manuel Ribeiro com AP
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

A França impôs o estado de emergência na Nova Caledónia, na quinta-feira, reforçando os poderes das forças de segurança para reprimir os tumultos que têm acontecido naquele arquipélago no Pacífico e que está sob a administração francesa.

PUBLICIDADE

Paris enviou um contingente de polícia para reforçar a segurança na Nova Caledónia, numa altura em que a violência continua a assolar o arquipélago do Pacífico pelo terceiro dia consecutivo.

As autoridades francesas na Nova Caledónia e o Ministério do Interior em Paris disseram que cinco pessoas, incluindo um gendarme (polícia francesa), foram mortas depois dos protestos que começaram no início desta semana.

Pelo menos 60 membros das forças de segurança ficaram feridos e 214 pessoas foram presas em confrontos com a polícia, vários incêndios e saques foram registados, disse o alto comissário do território Louis Le Franc.

“Tudo está a ser feito para restabelecer a ordem e a calma que os caledónios merecem”, declarou o primeiro-ministro francês Gabriel Attal após uma reunião no Palácio Presidencial do Eliseu, em Paris.

Attal disse ainda que, para além dos 1700 soldados das forças de segurança que já foram destacados para ajudar a polícia, mais 1000 estão a caminho, mas a situação “continua muito tensa, com pilhagens, motins, fogo posto e ataques, que são insuportáveis e indescritíveis”, descreveu.

Dois membros da comunidade indígena Kanak estão entre os cinco mortos, disse o ministro francês do Interior e dos Territórios Ultramarinos, Gerald Darmanin, ao garantir que a França “vai recuperar o controlo total”.

Segundo Darmanin, 10 pessoas alegadamente pertencentes ao movimento pró-independência conhecido como The Field Action Coordination Unit, estão em prisão domiciliária. Em abril, o grupo tinha apoiado vários protestos contra as autoridades francesas na ilha.

No entanto, Darmanin afirmou que o movimento é um “pequeno grupo que se diz pró-independência, mas que, em vez disso, comete pilhagens, assassínios e violência”.

Habitantes temem pela escassez de produtos e alimentos

Filas à porta de um supermercado na Nova Caledónia
Filas à porta de um supermercado na Nova CaledóniaAP Photo

As prateleiras das lojas começam a ficar vazias depois das pessoas aglomerarem-se em frente a um dos poucos supermercados de Nouméa, que se mantém aberto apesar dos tumultos. Muitos residentes temem a escassez de alimentos e bens de primeira necessidade. Alguns estão a tentar racionar a comida para alimentar as suas famílias. No entanto, a maior parte dos produtos frescos já foi vendida. Com numerosos bloqueios de estradas, é muito difícil transportar mercadorias e o problema de abastecimento afeta todo o arquipélago. Teme-se, também, uma escassez de combustível.

Os líderes de um sindicato de trabalhadores Kanak, residentes em Paris, apelaram à calma e disseram que estavam profundamente tristes com as mortes na sua longínqua terra natal.

“Queremos que o governo francês faça uma declaração política forte em vez de enviar tropas”, disse o líder sindical Rock Haocas aos jornalistas na quinta-feira. “Iniciar uma conversa seria uma declaração política forte”, acrescentou.

Na Nova Caledónia, o Conselho Nacional de Chefes do povo indígena Kanak condenou “todos os atos de vandalismo e violência armada”, mas rejeitou as alegações de que o movimento pró-independência estaria envolvido na violência mortal.

O Grande Chefe Hippolyte Sinewami-Htamumu manifestou o seu total apoio ao grupo pró-independência, que mobilizou mais de cem mil pessoas “de todas as idades e de todas as origens” em protestos pacíficos nos últimos meses na capital, Nouméa, e em toda a ilha.

“Não se trata de um ‘grupo terrorista’ ou de um ‘grupo mafioso’, como alguns dirigentes políticos querem fazer crer”, declarou na quinta-feira.

O Eliseu afirmou que vai manter o estado de emergência durante pelo menos 12 dias, uma vez que as forças militares francesas estão a ser destacadas para proteger os portos e aeroportos e para libertar as tropas da polícia. O recolher obrigatório foi prolongado até sexta-feira de manhã, disse Le Franc, o alto comissário francês para o território.

Os partidos políticos locais também apelaram à calma de ambos os lados - os que apoiam a independência e os que querem que a ilha continue a fazer parte da França.

A última vez que a França impôs estado de emergência a um dos seus territórios ultramarinos foi em 1985, também na Nova Caledónia. As medidas permitem que as autoridades francesas e locais do arquipélago combatam os distúrbios, autorizando a detenção domiciliária das pessoas consideradas uma ameaça à ordem pública, permitindo buscas, apreensão de armas e restrição de movimentos, com possível pena de prisão para os infractores.

A ilha do Pacífico, a leste da Austrália, com cerca de 270.000 habitantes e 10 fusos horários à frente de Paris, é conhecida pelos turistas pelos seus atóis e recifes classificados como Património Mundial pela UNESCO. Há décadas que as tensões se instalaram entre os indígenas Kanaks, que procuram a independência, e os descendentes dos colonizadores, que querem que a ilha continue a fazer parte da França.

PUBLICIDADE

As pessoas de ascendência europeia na Nova Caledónia, que durante muito tempo serviu de colónia-prisão da França e tem agora uma base militar francesa, distinguem-se entre descendentes dos colonizadores e descendentes dos muitos prisioneiros enviados para o território à força.

Nova proposta para alterar os cadernos eleitorais na origem dos tumultos

Habitante da Nova Caledónia mostra bandeira
Habitante da Nova Caledónia mostra bandeiraAP Photo

Os distúrbios desta semana eclodiram quando a legislatura francesa, em Paris, debateu a alteração da Constituição francesa para modificar os cadernos eleitorais da Nova Caledónia. Na quarta-feira, a Assembleia Nacional aprovou um projeto de lei que, entre outras alterações, permite que os residentes na Nova Caledónia há 10 anos possam votar nas eleições provinciais.

Os opositores afirmam que esta medida irá beneficiar os políticos pró-franceses da Nova Caledónia e marginalizar ainda mais os Kanaks, que em tempos sofreram políticas de segregação rigorosas e discriminação generalizada.

Macron disse na quarta-feira que iria convocar o Congresso, uma sessão conjunta de legisladores de ambas as câmaras do parlamento francês, até ao final de junho para alterar a Constituição e tornar o projeto de lei, na ausência de um diálogo significativo e de consenso entre os representantes locais.

A Nova Caledónia tornou-se francesa em 1853, sob o reinado do imperador Napoleão III, sobrinho e herdeiro de Napoleão. Tornou-se um território ultramarino após a Segunda Guerra Mundial, tendo sido concedida a cidadania francesa a todos os Kanaks em 1957.

PUBLICIDADE

Em 1988, foi celebrado um acordo de paz entre as fações rivais. Uma década mais tarde, a França prometeu conceder à Nova Caledónia poder político e ampla autonomia e realizar até três referendos sucessivos sobre o futuro da ilha.

Os referendos foram organizados entre 2018 e 2021 e a maioria dos eleitores optou por manter a Nova Caledónia como parte de França, em vez de apoiar a independência.

O povo Kanak, pró-independência, rejeitou os resultados do último referendo de 2021, que boicotou por ter sido realizado no auge da pandemia do coronavírus.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Mais uma morte na Nova Caledónia. França acusa Azerbaijão de fomentar a violência no arquipélago

Quatro mortos em tumultos na Nova Caledónia. Macron declara estado de emergência

Independentistas rejeitam "não" no referendo da Nova Caledónia