EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

Conheça os judeus europeus que se opõem à guerra de Israel contra o Hamas

Manifestantes marcham durante um protesto pró-palestiniano, sábado, 14 de outubro de 2023, em Cincinnati.
Manifestantes marcham durante um protesto pró-palestiniano, sábado, 14 de outubro de 2023, em Cincinnati. Direitos de autor Aaron Doster/Copyright 2023 The AP. All rights reserved.
Direitos de autor Aaron Doster/Copyright 2023 The AP. All rights reserved.
De  Joshua Askew
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

Depois de terem sofrido ao longo da história, os ativistas judeus pela paz disseram à Euronews que os judeus devem identificar-se com os oprimidos e defender os seus direitos - "seja quem for o opressor".

PUBLICIDADE

"Só quando os palestinianos viverem em liberdade e dignidade é que Israel terá segurança." Esta é a "grande mensagem" de Marco. 

O porta-voz do Na'amod, um movimento de judeus britânicos que se opõem ao que consideram ser as políticas de "ocupação e apartheid" de Israel em Gaza e na Cisjordânia ocupada.

Mas Na'amod não está sozinho.

Em toda a Europa, há uma série de grupos judeus que fazem campanha pelos direitos dos palestinianos e, mais recentemente, pelo fim da guerra entre Israel e o Hamas.

Wieland Hoban, presidente da Jüdische Stimme (Voz Judaica) da Alemanha, diz à Euronews que estes judeus autodenominados "progressistas" enfrentam frequentemente a marginalização de todos os lados.

Podem ficar isolados nos círculos de esquerda, onde o apoio à Palestina pode, por vezes, levar à desconsideração das vozes judaicas ou ao antissemitismo.

"Infelizmente, existe uma forte associação entre o povo judeu e o Estado de Israel", explica, "e é difícil para muitas pessoas compreender por que razão os judeus se opõem às acções do governo israelita".

Protesters attend a pro Palestinian demonstration in London, Saturday, Oct. 14, 2023.
Protesters attend a pro Palestinian demonstration in London, Saturday, Oct. 14, 2023.Kin Cheung/Copyright 2023 The AP. All rights reserved

"Mas não há contradição inerente entre ser judeu e apoiar os direitos dos palestinianos", acrescenta Hoban.

'Traidores'

No entanto, a rejeição mais forte que podem enfrentar é talvez a da própria comunidade judaica.

Acusado de "estar do lado do inimigo", Hoban observa como os membros da Jüdische Stimme romperam com as suas famílias desde o início dos combates, em outubro.

Chamam-nos "tokens sem noção", "idiotas úteis" ou "judeus que se odeiam a si próprios", diz, embora sugira que as pessoas ignoram o seu grupo porque "não se enquadra em narrativas fáceis".

Os ativistas judeus pela paz também podem ser acusados de desonrar os seus antepassados que sobreviveram ao Holocausto. No entanto, Marco afirma que esta tragédia histórica é a razão pela qual os judeus devem proteger os palestinianos.

FILE - July 14, 2014 photo, a Palestinian girl sits on the wall of the New Gaza United Nations School.
FILE - July 14, 2014 photo, a Palestinian girl sits on the wall of the New Gaza United Nations School.Khalil Hamra/AP

"Devido à nossa experiência de opressão e sofrimento, devemos identificar-nos com os oprimidos e defender os seus direitos - seja quem for o opressor."

Em dezembro, a África do Sul apresentou um caso no Tribunal Penal Internacional, alegando que Israel tinha cometido "actos genocidas" em Gaza. Israel nega esta alegação.

Isto não é uma guerra santa

Para alguns - incluindo funcionários israelitas, palestinianos e ocidentais - a violência em Gaza é enquadrada como uma guerra religiosa entre judeus e muçulmanos.

PUBLICIDADE

No entanto, Marco foi rápido a desafiar a ideia de que o conflito era sectário, com grupos como o seu a distorcerem esta visão.

"Os palestinianos revoltaram-se contra os seus opressores", afirma, "se o seu opressor fosse japonês, ter-se-iam revoltado contra o Japão. O facto de serem oprimidos pelos israelitas significa que se revoltaram contra Israel".

Hundreds Palestinian and Israeli supporters gather in opposing rallies outside of the Consulate of Israel in San Francisco on Sunday, Oct. 8, 2023.
Hundreds Palestinian and Israeli supporters gather in opposing rallies outside of the Consulate of Israel in San Francisco on Sunday, Oct. 8, 2023.Bronte Wittpenn/ONLINE_YES

No entanto, isto não significa que a guerra entre Israel e o Hamas não esteja a alimentar o ódio religioso.

O presidente da Jüdische Stimme, Hoban, afirma que as acções do Estado israelita em Gaza estão a alimentar o antissemitismo.

PUBLICIDADE

"Sempre que há uma escalada de violência por parte de Israel, há mais incidentes anti-semitas porque, infelizmente, muitas pessoas do lado da Palestina não conseguem separar Israel do judaísmo".

O antissemitismo na Europa atingiu níveis nunca antes registados em décadas, no contexto do último surto de violência, enquanto a islamofobia também aumentou.

Conhecedor de pessoas que foram mortas no ataque do Hamas a 7 de outubro e tendo vivido num kibutz perto das aldeias atacadas pelos militantes palestinianos, Marco disse que podia "empatizar profundamente" com o trauma sentido pelos israelitas e judeus em todo o mundo.

No entanto, considera que é importante contextualizar a violência.

PUBLICIDADE

"Os palestinianos estão sob ocupação e apartheid há várias décadas. Embora seja verdade que o dia 7 de outubro foi uma grande perda de vidas judaicas e um acontecimento muito trágico... não aconteceu num vácuo.

"Continuar a oprimir a população [palestiniana] não vai garantir a segurança [de Israel] porque vai alimentar a vontade de vingança e de violência", continua.

FILE - Palestinian refugee Layla Afaneh, 67, poses for a picture in front of a wall painted with a mural in the Kalandia refugee camp between Jerusalem and the West Bank, 2014
FILE - Palestinian refugee Layla Afaneh, 67, poses for a picture in front of a wall painted with a mural in the Kalandia refugee camp between Jerusalem and the West Bank, 2014Muhammed Muheisen/AP

No último ano, sob a liderança do governo mais à direita da história de Israel, os militares e os colonos do país conduziram uma campanha crescente de deslocação, desapropriação e repressão violenta contra a população, observa o Grupo Voz Judaica pela Paz, com sede nos EUA.

Mesmo antes de Israel ter iniciado a sua ofensiva militar contra o Hamas, 2023 foi um dos anos mais mortíferos de que há registo para os palestinianos em Gaza e na Cisjordânia ocupada.

PUBLICIDADE

O Ocidente é cúmplice de tudo o que Israel tem feito

Tanto o Na'amod como o Jüdische Stimme são politicamente ativos, organizando manifestações e ações de protesto no Reino Unido e na Alemanha, respetivamente.

Marco afirma que "o Ocidente é cúmplice de tudo o que Israel tem feito" nas últimas décadas e que a Na'amod quer que Londres acabe com o seu apoio à guerra de Israel.

Um "papel importante" que a sua organização desempenha neste processo é mudar as atitudes da comunidade judaica britânica, que exerce uma pressão significativa sobre o governo para apoiar Israel.

E está a resultar, em parte.

PUBLICIDADE

Ao longo da década, Marco afirma que se abriu mais espaço na comunidade judaica dominante para opiniões como a sua.

Entretanto, desde que Israel iniciou a sua ofensiva em Gaza em resposta ao ataque do Hamas que matou cerca de 1200 pessoas no sul de Israel, o número de membros e de seguidores online do Na'amod aumentou.

"É obviamente triste que seja necessária uma tragédia como esta, mas já vimos em ataques anteriores a Gaza que esta questão se torna muito mais importante na mente das pessoas", diz Marco.

"Para muitos judeus, as suas opiniões começam a mudar quando vêem a terrível destruição que está a ser provocada em Gaza".

PUBLICIDADE

Mas ambos os grupos afirmam que uma das suas atividades mais importantes foi a criação de espaços para as vozes palestinianas e judaicas se juntarem.

"Não nos devemos deixar enganar pela ideia de que é do interesse dos judeus na Europa defender o etnonacionalismo do Estado israelita.

"Porque se concordarmos com a ideia de que uma etnia deve dominar sobre outras, que não têm quaisquer direitos, isso coloca os judeus e os muçulmanos da Europa em perigo, enquanto minorias."

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Pelo menos 17 palestinianos mortos num ataque israelita a escola que servia de refúgio

Três feridos graves após atropelamento junto a estação de autocarro em Israel

Gaza: pelo menos 71 mortos e mais de 200 feridos num ataque ao campo de al-Mawasi