Blinken encontra Xi em Pequim. Presidente chinês diz que se "fizeram progressos"

Blinken é o primeiro secretário de estado dos EUA a visitar Pequim em cinco anos.
Blinken é o primeiro secretário de estado dos EUA a visitar Pequim em cinco anos. Direitos de autor Leah Millis/AP
Direitos de autor Leah Millis/AP
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Relações entre as duas potências têm sido marcadas pela tensão com vários dossiers espinhosos.

PUBLICIDADE

Mais proximidade, mas com a devida distância de segurança.

O secretário de Estado dos EUA, AntonyBlinken, e o presidente chinês, XiJinping, reuniram-se, esta segunda-feira, em Pequim, em pleno contexto de tensão entre as duas potências.

Xi Jinping fez uma avaliação positiva do encontro. Num vídeo divulgado pela emissora pública chinesa disse que as duas partes "fizeram progressos e que chegaram a acordo sobre algumas questões específicas.” Acrescentou: “isto é muito bom."

O presidente chinês referiu ainda "esperar que a visita contribua, de forma mais positiva, para a estabilização das relações" bilaterais, de acordo com um comunicado publicado pelo Ministério dos Negócios Estrangeiros da China, citado pela Bloomberg.

As relações entre as duas partes têm sido abaladas por causa de uma série de casos como o do balão espião chinês que sobrevoou os EUA, por exemplo.

A postura chinesa em relação à guerra na Ucrânia também é motivo de fricção bem aquestão de Taiwan, evocada no encontro deste domingo de Antony Blinken com o ministro dos Negócios Estrangeiros da China, Qin Gang.

Gang referiu que Taiwan é a questão fundamental dos interesses superiores da China, a questão mais importante nas relações entre a China e os EUA e o maior perigo, ao mesmo tempo.

Blinken é o primeiro secretário de estado dos EUA a visitar Pequim em cinco anos.

A reunião de degelo diplomático com Xi só foi anunciada pelos EUA cerca de uma antes de acontecer evidenciado o clima de crispação nas relações sino-americanas.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Chanceler alemão pede à China mais abertura económica

China responde à investigação da UE sobre os subsídios às indústrias verdes

População da China diminui pelo segundo ano consecutivo