EventsEventosPodcasts
Loader
Find Us
PUBLICIDADE

Blinken e Xi Jinping chegam a "base de entendimento" e "progressos" em Pequim

Secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken, aperta a mão a Xi Jinping, Pequim, China
Secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken, aperta a mão a Xi Jinping, Pequim, China Direitos de autor Leah Millis/Pool Photo via AP
Direitos de autor Leah Millis/Pool Photo via AP
De  Euronews
Publicado a Últimas notícias
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Secretário de Estado norte-americano está de visita à China para desanuviar as tensões diplomáticas entre os dois países. Taiwan e Ucrânia continuam a dividir.

PUBLICIDADE

As imagens de um aperto de mão podem não traduzir as mais de mil palavras trocadas entre Antony Blinken e Wang Yi, mas o gesto simbólico dá uma clara mensagem ao mundo: a China e os Estados Unidos querem continuar sentados à mesma mesa das negociações. 

Após a reunião com o diplomata de topo, esta segunda-feira, o secretário de Estado norte-americano encontrou-se ainda  com Xi Jinping.

O presidente chinês revelou que "as duas partes fizeram progressos e chegaram a uma base comum em certos pontos específicos", descrevendo esses progressos como "uma coisa boa".

Taiwan entre EUA e a China

Blinken, que este domingo já se tinha reunido com o ministro chinês dos Negócios Estrangeiros, Qin Gang, reuniu-se, desta vez, durante a manhã com o alto diplomata chinês Wang Yi, para desanuviar as tensões diplomáticas com Pequim.

À saída, após uma uma longa reunião descrita como "construtiva", ficou a garantia de "canais de comunicação abertos".

Há décadas que os laços entre os dois países não se encontravam tão fragilizados como atualmente. A cisão foi talhada pela questão da autonomia de Taiwan, apoiada por Washington.

Os EUA acusam a China de levar a cabo exercícios militares junto à ilha. Já a China denuncia um controlo da exportação de tecnologia de ponta para os Estados Unidos e acordos de segurança com aliados chineses

Wang Yi transmitiu já a Blinken a posição de Pequim, afirmando que a China não fará "qualquer compromisso" em relação ao território insular. E quanto aos Estados Unidos, diz o diplomata, "é necessário fazer uma escolha entre o diálogo e a confrontação, entre a cooperação e o conflito".

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Chefe da diplomacia dos EUA visita Pequim

Antony Blinken fala à Euronews sobre NATO, China e guerra na Ucrânia

Comprar peças originais sem ir à falência: bem-vindos à feira de arte acessível de Hong Kong