Berlim quer mais ação por parte da China contra Moscovo

Chanceler alemão e Primeiro-ministro chinês em Berlim
Chanceler alemão e Primeiro-ministro chinês em Berlim Direitos de autor Kay Nietfeld/(c) Copyright 2023, dpa (www.dpa.de). Alle Rechte vorbehalten
De  Euronews com AP, AFP
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Num encontro com o Primeiro-ministro chinês o chanceler alemão frisou que é importante que a China continue a não fornecer armas ao "agressor".

PUBLICIDADE

Ucrânia, comércio, cooperação, tecnologia, alterações climáticas... foram algumas das questões discutidas pelo chanceler alemão e pelo primeiro-ministro chinês em Berlim. Olaf Scholz apelou a Li Qiang para que "exerça mais influência" junto da Rússia para alcançar uma "paz justa" na Ucrânia. Uma paz baseada nos princípios da Carta das Nações Unidas e na defesa da integridade territorial ucraniana.

Como membro permanente do Conselho de Segurança da ONU, a China tem aqui uma tarefa muito especial. (...) Devemos também trabalhar em conjunto no G20. Neste contexto, é importante que a China continue a não fornecer armas ao agressor, a Rússia.
Olaf Scholz
Chanceler alemão

Scholz defendeu a via da independência económica em relação à China, mas a continuação da parceria de forma intensiva. 

Já o chefe do executivo chinês afirmou que Pequim quer levar as relações bilaterais a um novo patamar.

A China e a Alemanha são ambos países importantes e influentes, pelo que devemos trabalhar ainda mais, lado a lado, e contribuir mais ainda para a paz mundial e o desenvolvimento global.
Li Qiang
Primeiro-ministro chinês

Berlim e pequim assinaram, no âmbito das consultas intergovernamentais, um acordo de cooperação para a prossecução da transição ecológica.

A viagem de Li a Berlim foi a primeira do primeiro-ministro chinês desde que tomou posse em março último. 

Depois de visitar a maior economia da União Europeia, o governante viaja para França - a segunda maior - onde vai participar na "Cimeira para um Novo Pacto Global de Financiamento", que se realiza por iniciativa do presidente francês Emmanuel Macron.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Um "pirata" chamado Scholz: Chanceler alemão faz primeira aparição pública depois de queda

Exportações de petróleo da Rússia atingem pico desde invasão da Ucrânia

Cimeira G7: Zelenskyy agradece apoio dos aliados